​CPTM reduz carga horária para mães que amamentam bebês de até 1 ano

​CPTM reduz carga horária para mães que amamentam bebês de até 1 ano

Entre os dias 1º e 7 de agosto é comemorada a Semana Mundial do Aleitamento. Em celebração a esta data, vale lembrar que a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) concede benefício exclusivo para suas funcionárias que amamentam. A mãe que volta ao trabalho após a licença-maternidade e continua amamentando tem a carga horária reduzida em 2 horas por dia até o bebê completar um ano de idade.

Além da mamãe, a Companhia também ganha com a medida. As funcionárias ficam mais felizes e atuam com mais disposição e segurança, já que a redução do horário nessa fase contribui para o seu bem-estar emocional. Pela lei trabalhista, as empresas permitem somente dois intervalos de meia hora até os seis meses da criança.

As colaboradoras afirmam que a iniciativa é muito importante, pois a amamentação traz grandes benefícios para a saúde do bebê. A agente de estação Alessandra Cavalcante, 37 anos, diz que a filha Dafne, sete meses, “nunca ficou doente”. Ela pretende amamentá-la até os dois anos.

Graças ao programa, a agente de segurança Lúcia de Andrade Coelho, 42 anos, conseguiu retornar ao trabalho com mais tranquilidade. Ela sempre amamenta a Luma, de seis meses, antes de sair de casa e assim que chega. “É maravilhoso, pois eu chego mais cedo e fico com a minha filha, ainda mais nesta fase que ela está mamando bastante”.  Como as noites de sono ainda não estão regulares, a carga horária menor dá mais tempo de descanso para a agente de segurança nesta fase.

A ação da CPTM vai ao encontro do tema deste ano da Semana Mundial do Aleitamento Materno: “Capacite os pais e permita a amamentação, agora e no futuro!” O objetivo é conscientizar os pais, a família e as empresas sobre a importância de uma rede de apoio para as mães que amamentam.

O apoio foi realmente importante para que a analista de tecnologia da informação Carolina Dias dos Santos, 35 anos, continuasse amamentando o Davi, de sete meses. Ela conta que teve dificuldades no início, mas com o apoio do marido e da empresa logo se adaptou à nova rotina. “Esse tempo a mais com o bebê é importante agora para a gente se preparar para ficar mais tempo fora de casa.”

A agente de segurança Lúcia Perazzo, 38 anos, também viu na prática as vantagens quando se tem uma rede de apoio. Ela está muito feliz em poder amamentar Agatha, de oito meses. Ela só amamentou por um mês o primeiro filho, hoje com 20 anos. Na época, trabalhava em outra empresa e não teve a ajuda necessária quando o leite secou. “Agora, posso vivenciar uma ligação afetiva maravilhosa”.

Valorização da mulher no ambiente de trabalho – Para a CPTM, o estímulo à amamentação é uma das formas de trazer qualidade de vida para as funcionárias. “Além dos benefícios para a saúde das crianças, essa transição de carga horária para a mãe ajustar a nova rotina da casa com o trabalho é fundamental para o bem-estar emocional. Também é uma forma de reafirmar que as mulheres são muito bem-vindas na empresa”, afirma o gerente de recursos Humanos da CPTM, Ivan Moreno. Já foram beneficiadas 651 colaboradoras com a redução de duas horas no horário de trabalho para amamentação.  O benefício foi criado em 1992, mas está sendo mais utilizado nos últimos anos com o aumento de mulheres na empresa.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida a fim de evitar desnutrição e doenças gastrointestinais.  Da mesma forma, há benefícios para as mamães, já que o ato de amamentar pode reduzir os riscos de desenvolvimento de diabetes tipo 2, câncer de mama e ovário.

COMENTÁRIOS