7 em 10 caminhoneiros que passam por rodovias de SP estão acima do peso

7 em 10 caminhoneiros que passam por rodovias de SP estão acima do peso

Pesquisa realizada pela Secretaria de Estado da Saúde aponta ainda que quase metade dos entrevistados admitiu abusar do consumo de bebidas alcoólicas

Pesquisa realizada pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo aponta que 71,5% dos caminhoneiros que passam pelas rodovias do Estado de São Paulo estão acima do peso e que 34% apresentam hipertensão arterial.

O levantamento, realizado nos meses de março e abril deste ano com 309 motoristas de cargas pesadas abordados nas rodovias Fernão Dias e Belém-Brasília (região de Marília), mostrou ainda que 56,31% dos caminhoneiros avaliados apresentaram alterações de força manual direita e esquerda.

Além disso, 48,54% dos motoristas que participaram da pesquisa estavam em jornada excessiva de trabalho e 45% afirmaram abusar do consumo de álcool.

Entre os testes realizados nas ações que integram o programa “Comando de Saúde nas Rodovias”, coordenado pelo SEST (Serviço Social do Transporte) e SENAT (Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte), em parceria com o Departamento de Polícia Rodoviária Federal (PRF) do Ministério da Justiça, estão verificação da pressão arterial e da frequência cardíaca, teste de glicemia capilar, teste de acuidade auditiva e visual, teste de visão estereoscópica e de visão cromática, avaliação do IMC (índice de massa corpórea), avaliação de carga horária de trabalho, avaliação de sonolência diurna, entre outros.

Além dos testes realizados, durante as ações também foram administradas vacinas contra difteria, tétano, sarampo, rubéola, caxumba e hepatite B.

“Esta ação que vem sendo realizada nas rodovias tem por objetivo avaliar a saúde dos motoristas de cargas pesadas, imunizá-los quanto às doenças de maior prevalência e orientá-los quanto aos riscos e agravos frequentemente associados ao seu trabalho para, com isso, melhorar a saúde deles e ainda aumentar a segurança dos demais motoristas que trafegam pelo Estado de São Paulo”, diz Simone Alves, diretora da Divisão Estadual de Saúde do Trabalhador da Vigilância Sanitária Estadual.

COMENTÁRIOS