Alunos da USP criam software que prevê risco de doenças crônicas

Alunos da USP criam software que prevê risco de doenças crônicas

Estudantes da Universidade de São Paulo (USP) desenvolveram a tecnologia denominada “Blue”, que integra e analisa vários tipos de informações relacionadas à saúde, como dados hospitalares e laboratoriais (consultas, exames e nível de glicose), hábitos alimentares, frequência de atividade física e histórico familiar.

Vale destacar que o programa de computador empresa técnicas de inteligência artificial e aprendizado de máquina para estimar as chances de o usuário ser atingido por uma enfermidade específica.

“Nossa missão é prever doenças crônicas antes que elas cheguem a estados irreversíveis”, explica Igor Marinelli, aluno do curso de Engenharia de Computação, oferecido em conjunto pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) e pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), ambos da USP.

Prêmio

Marinelli e Rafael Rejtman, aluno do curso de Engenharia Mecatrônica da Escola Politécnica (Poli) da USP, são cofundadores da startup Blue, que leva o nome do software. O administrador Pedro Freire também faz parte da equipe.

Os três estiveram na entrega do prêmio HackBrazil, uma das atrações da conferência realizada pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e pela Harvard University entre os dias 5 e 7 de abril, em Boston, no Estados Unidos.

O evento é realizado pela comunidade brasileira de estudantes. Por conquistarem a liderança na competição, os criadores da Blue receberam R$ 75 mil para investir no crescimento da empresa. Os recursos já têm destino previsto: aumentar as fontes de dados usados pelo software, aprimorar os dispositivos de análise e previsão e potencializar o número de dados genéticos disponíveis.

Por enquanto, as informações são extraídas do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) e da pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde.

Até o momento, o sistema consegue prever os riscos de uma pessoa ser diagnosticada com diabetes e doenças cardiovasculares. De acordo com os integrantes da startup, o objetivo da Blue é aperfeiçoar o software para a previsão de outras patologias, como Alzheimer, hipertensão, doenças respiratórias, câncer e problemas metabólicos, como obesidade.

COMENTÁRIOS