Banco de leite em fase de instalação beneficiará prematuros nascidos no Complexo HCFMUSP

Banco de leite em fase de instalação beneficiará prematuros nascidos no Complexo HCFMUSP

A fim de suprir as necessidades de centenas de recém-nascidos prematuros, está sendo instalado um banco de leite no Completo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. É um sonho de longa data para a equipe do Hospital, que comemorou recentemente uma doação de US$ 90 mil em equipamentos, oriundos da Fundação Rotary.

O Banco de Leite Humano do Centro Neonatal do Instituto da Criança (ICr-HCFMUSP) contará com a coordenação de Valdenise Martins Laurindo Tuma Calil, médica do Centro Neonatal do ICr-HCFMUSP, e a supervisão de Analisa Gabriela Zuchi Leite, nutricionista supervisora do Centro Neonatal do ICr-HCFMUSP.

“A sobrevida dos prematuros nascidos no Complexo HCFMUSP e a qualidade de vida que eles terão na idade adulta depende muito do aleitamento materno e por isso estamos investindo esforços para viabilizar nosso próprio Banco de Leite Humano”, afirma o Prof. Werther Brunow de Carvalho, Titular da área de Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatologia do HCFMUSP e coordenador das UTIs pediátricas e neonatais da instituição.

O grupo inclui ainda, além do Prof. Werther, a diretora do Centro de Terapia Intensiva Neonatal-1 e do Centro de Terapia Intensiva Neonatal 2, Maria Augusta Cicaroni Gibelli, a diretora-executiva do ICr-HCFMUSP, Mariana Nutti de Cordon, a nutricionista supervisora de Divisão Hospitalar do Serviço de Nutrição do HCFMUSP, Ana Paula Alves da Silva, e a enfermeira chefe do Centro Neonatal do ICr-HCFMUSP, Carla Regina Tragante.

“A população alvo são os cerca de 150 recém-nascidos ao mês e suas mamães, em especial os prematuros de baixo e muito baixo peso, que não toleram bem a fórmula láctea. São incontestáveis os benefícios do leite humano. No caso de prematuros, trata-se de uma solução fundamental em todos os sentidos, seja para reduzir a prevalência de infecções e aumentar a sobrevida, reduzir o tempo de progressão da dieta ou melhorar a qualidade de vida em geral”, afirma a coordenadora do BLH.

O BLH funcionará no 10º andar do Instituto Central do HCFMUSP e atualmente já atende ao binômio mãe-bebê do Centro Neonatal do ICr-HCFMUSP. Ainda não é possível a doação do leite humano para outros recém-nascidos que não o da própria mãe, uma vez que os equipamentos necessários para a pasteurização e armazenamento do mesmo ainda não foram instalados no local.

“Inicialmente, o serviço atenderá apenas às mães e bebês do Complexo HCFMUSP, pois ainda não estruturamos uma logística para aceitar doações externas”, afirma a nutricionista Analisa Gabriela.

A região onde está o HCFMUSP não conta com nenhum serviço de BLH, daí a importância do projeto, avalia a coordenadora Valdenise.  “As atividades de ensino teórico e prático sobre leite humano em graduação e pós-graduação também serão beneficiadas. Os principais resultados esperados são a redução da morbimortalidade neonatal, a redução das taxas de infecção e de permanência hospitalar, a redução de gastos com fórmulas lácteas, a melhora do desenvolvimento neuro-cognitivo e o aumento da qualidade de vida do recém-nascido”, afirma a médica.

COMENTÁRIOS