Brasil conquista duas medalhas de bronze na 30ª Olimpíada Internacional de Biologia

Brasil conquista duas medalhas de bronze na 30ª Olimpíada Internacional de Biologia

O Brasil conquistou na última semana duas medalhas de bronze na 30ª Olimpíada Internacional de Biologia. A competição, disputada na Hungria por 285 alunos de 75 países, teve como objetivo estimular estudantes e professores a fazerem novas descobertas na área da ciência e também da cultura, além de disseminar novos conhecimentos para a sociedade.

Os estudantes que representaram o Brasil eram todos do Ensino Médio e foram selecionados pela etapa nacional da Olimpíada, promovida pelo Instituto Butantan, com o apoio de oito entidades de pesquisa.

Os alunos Jaziel Barros dos Santos (PR) e João Pedro Silva Torres (SP) foram os grandes destaques brasileiros na cidade húngara de Szeged, conquistando as medalhas de bronze. Já o estudante João Pedro Sobreiro Borges (CE), que havia conquistado o 1º lugar na etapa brasileira da Olimpíada, não conseguiu conquistar uma medalha no evento, mas recebeu uma menção honrosa pelo bom resultado obtido no cômputo geral. A competição contou ainda com a participação do estudante Vinicius Xie Fu (SP). Os quatro estudantes foram selecionados entre cerca de 120 mil estudantes do Ensino Médio de todo o país, após participarem das três fases da Olimpíada Brasileira de Biologia (OBB).

ab0861e9-0623-4468-840f-1aeaabc3d28d-452134c8079de110

Na competição internacional, os estudantes fizeram uma prova teórica envolvendo conceitos gerais da Biologia, além de uma avaliação prática sobre zoologia, bioquímica, bioinformática, botânica e ecologia/evolução.

Na última etapa da Olimpíada Brasileira de Biologia, os quatro selecionados puderam passar por um treinamento intensivo no Instituto Butantan, com atividades práticas que envolveram biologia molecular, bioinformática, biologia celular, microbiologia, química de proteínas e zoologia.

A coordenadora da Olimpíada Brasileira de Biologia, a pesquisadora do Butantan Sonia de Andrade, conta que o Instituto Butantan teve papel fundamental para a conquista dos meninos. “O Instituto auxilia os representantes brasileiros na participação da Olimpíada Internacional de Biologia, com a capacitação prática de uma semana com base no conteúdo programático da competição. Este treinamento foi fundamental para a formação dos alunos e contribuiu para excelentes resultados”, afirma a pesquisadora.

Apoiaram a Olimpíada Brasileira de Biologia o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o Ministério da Educação (MEC), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Centro de Excelência para Descobertas de Alvos Moleculares (Centd), o Centro de Toxinas, Resposta-Imune e Sinalização Celular (Cetics), a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e a Veritas Biotecnologia.

No ano passado, o Brasil havia conquistado três medalhas de bronze e uma menção honrosa e em 2017, uma medalha de prata.

Olimpíada Nacional de Ciências segue com inscrições abertas 

Uma outra competição a Olimpíada Nacional de Ciências segue com as inscrições abertas para alunos de escolas públicas e privadas. Os alunos precisam solicitar a inscrição por meio das escolas onde estudam.

A competição é organizada também pelo Instituto Butantan em parceria com mais cinco entidades. As inscrições podem ser feitas no site da Olimpíada Nacional de Ciências e terminam no dia 6 de agosto. As provas acontecem no mesmo mês, entre os dias 15 e 17.

COMENTÁRIOS