Bulimia e anorexia são responsáveis por uma internação a cada dois dias em SP

Bulimia e anorexia são responsáveis por uma internação a cada dois dias em SP

De janeiro até julho deste ano, 97 pessoas deram entrada nos hospitais que atendem pelo SUS

Balanço da Secretaria de Estado da Saúde mostra que a cada dois dias, em média, uma pessoa é internada por anorexia ou bulimia nos hospitais que atendem pelo SUS (Sistema Único de Saúde) no Estado de São Paulo.  Somente nos primeiros sete meses do ano, foram 97 internações devido a estes distúrbios alimentares.

Em 2012, 165 pacientes precisaram de internação e 1.220 pacientes fizeram tratamento ambulatorial no Estado de São Paulo contra os dois distúrbios.

Segundo a nutricionista Lara Natacci, do Programa Meu Prato Saudável, existe um consenso de que a vulnerabilidade genética aumenta os riscos, porém pesquisas recentes apontam que também é comum entre os pacientes, relatos de traumas ligados à alimentação. Outro fator importante é o padrão de beleza ligado à magreza, que tem vigorado na indústria da moda desde os anos 60. De acordo com ela, pais e professores têm papel extremamente importante na prevenção dos distúrbios.

“O grupo mais exposto ao desenvolvimento de transtornos alimentares é o de mulheres jovens, da fase da adolescência até o início da idade adulta. O trabalho preventivo pode acontecer em forma de seminários e conversas. O fato de se dialogar sobre os transtornos alimentares e suas consequências na reprodução, na saúde óssea, na nutrição, na composição corporal e na performance é comprovadamente eficaz na prevenção”, afirma Lara.

De acordo com a nutricionista, quando se tem bulimia ou anorexia, a rapidez da intervenção será um dos fatores determinantes do sucesso do tratamento, pois é mais difícil reverter quadros instalados há muito tempo.

 

Conheça os 12 principais indícios de distúrbios alimentares:

1)          Ansiedade;

2)          Fuga de situações que envolvam alimentação, como almoços entre amigos e familiares;

3)          Percepção de estar gordo, mesmo estando magro demais;

4)          Resistência ao ganho ou à manutenção do peso;

5)          Restrição dietética exagerada;

6)          Comportamento de pesagem ou medição excessiva, várias vezes ao dia, por exemplo;

7)          Compulsão por exercícios físicos e dietas;

8)          Depressão e insônia;

9)          Uso excessivo do banheiro;

10)    Excesso de autocrítica sobre o peso e o corpo;

11)    Abuso de substâncias (álcool e outras drogas);

12)    Uso descontrolado de laxantes e de diuréticos.

COMENTÁRIOS