Carnaval: diversão com responsabilidade

Carnaval: diversão com responsabilidade

 Por Claudio Murta

 

Época de carnaval combina com alegria, festa e muita “curtição”. Quando tudo isso é realizado com responsabilidade, a festa fica completa. Entretanto, o abuso do álcool e a falta de alguns cuidados importantes podem trazer sérios danos à saúde. As consequências são os acidentes de trânsito e as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), que explodem nesta época.

Tais doenças são um problema de saúde pública. Elas são causadas por diferentes micro-organismos transmitidos pelo contato sexual desprotegido com um indivíduo infectado. Outra forma de transmissão está no compartilhamento de agulhas e seringas por usuários de drogas. Desde a década de 80, a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), ou vírus da AIDS, deixou o mundo em alerta para a epidemia desta doença que é incurável.

No Brasil, em 2013, as estimativas de infecções por transmissão sexual foram de 930 mil casos de sífilis, 1,5 milhão de casos de gonorreia, 1,9 milhão de casos de clamídia, 640 mil casos de herpes genital e 685 mil casos de condiloma acuminado. Já os casos de HIV chegaram a quase 40 mil notificações de casos novos.

As DSTs não escolhem faixa etária, condições socioeconômicas ou educacionais. Atualmente, o HPV e a sífilis estão entre as DSTs mais comuns atendidas nos consultórios médicos. O HPV é um vírus que causa verruga nos órgãos genitais e pode provocar o câncer de colo de útero nas mulheres. Porém, é preciso ficar atento também ás uretrites, cujos principais sintomas são a dor ao urinar e a secreção pelo canal uretral, causadas principalmente por gonorreia e clamídia.

Neste carnaval, vamos aproveitar as festas e quebrar a cadeia de transmissão das DSTs. Tais doenças podem ser evitadas com uso do preservativo em todo o ato sexual. O preservativo forma uma barreira que impede a transmissão e quebra esse ciclo vicioso. Apesar de simples e barato, o preservativo encontra diversas barreiras infundadas e só tem um motivo para não ser usado: a desinformação.

 

Claudio Murta é urologista e coordenador do Centro de Referência da Saúde do Homem, da Secretaria de Estado da Saúde, administrado em parceria com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM)

COMENTÁRIOS