Centro Lucy Montoro apresenta tecnologia inédita e 100% nacional

Centro Lucy Montoro apresenta tecnologia inédita e 100% nacional

 

O Governador Márcio França visitou nesta quarta-feira o Centro Lucy Montoro durante a apresentação do Vivax, tecnologia que possibilita movimentos tridimensionais dos membros superiores até então não alcançados por nenhuma tecnologia do mundo. A cerimônia acompanha a comemoração de 4 anos de funcionamento da unidade.

Além de França, estiveram presentes a secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Rizzo Battistella, o diretor do Centro de Reabilitação Lucy Montoro Santos, Celso Vilella Matos, e o engenheiro idealizador do Vivax, Antonio Makiyama.

Desde o início de funcionamento da Rede Lucy Montoro em Santos, foram realizados cerca de 170 mil atendimentos e dispensados mais de 9 mil órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção. A novidade é 100% nacional e foi idealizada pelo engenheiro brasileiro Antonio Makiyama, com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Pioneira em uso de robôs na reabilitação, a Rede Lucy Montoro já conta com um equipamento Vivax na unidade Vila Mariana da capital paulista. Esta tecnologia possibilita uma amplitude do movimento do braço até então não alcançada em nenhuma tecnologia existente no mundo, ao permitir movimentos tridimensionais mais realistas e próximos às atividades cotidianas dos pacientes.

Entre as vantagens da nova tecnologia está o fato de o aparelho ser portátil e pesar apenas 15 quilos (cerca de 7 vezes mais leve do que os equipamentos disponíveis no mercado), aproximando a tendência de os pacientes utilizarem a robótica em casa.

Além de ser mais vantajoso no peso, o robô apresenta um custo significativamente inferior a um equipamento similar no mercado e permite maior feedback auditivo e visual ao disponibilizar games mais atrativos. A novidade é voltada para vítimas de Acidente Vascular Cerebral (AVC), pessoas com paralisia cerebral, lesão encefálica, lesão medular, traumatismo craniano e doenças degenerativas.

Criada em 2008, a rede conta atualmente com 17 unidades em funcionamento em todo o Estado que realizam mais de 100 mil atendimentos por mês e 3 unidades futuras.

A Rede de Reabilitação Lucy Montoro oferece reabilitação às pessoas com deficiência ou doenças potencialmente incapacitantes através de uma equipe multidisciplinar, composta por médicos fisiatras, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, assistentes sociais e outros profissionais especializados em reabilitação.

Em 2014, a Rede de Reabilitação Lucy Montoro se tornou a primeira instituição brasileira a conquistar a acreditação da Commission on Accredition of Rehabilitation Facilities (CARF).

O governador do Estado de São Paulo, Márcio França, participa da apresentação do robô Vivax no Centro de Reabilitação Lucy Montoro Santos. Local: Santos/SP Data: 13/06/2018 Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governador do Estado de São Paulo, Márcio França, participa da apresentação do robô Vivax
no Centro de Reabilitação Lucy Montoro Santos

Serviços

A diretora do Serviço de Psicologia e Inclusão e Apoio Social, Vera Lúcia Rodrigues, explica que os serviços da Rede Lucy Montoro “vão desde a reabilitação até o apoio ao processo de empregabilidade. E, nos casos em que o candidato não seja elegível, segundo os critérios da Rede, para iniciar o atendimento, ele recebe informações e recomendações para outros centros que possam atender às suas necessidades”.

O Programa oferecido pela Rede de Reabilitação Lucy Montoro inicia com a Reabilitação Clínica e tem como objeto conclusivo a Reabilitação Profissional. A reabilitação robótica é um dos grandes avanços tecnológicos presentes na Rede Lucy, abrindo possibilidades maiores para recuperação de movimentos de seus pacientes. A gameterapia, por exemplo, coloca a pessoa num ambiente de jogo, estimulando-a a se movimentar. A Lokomat estimula a movimentação de quadril e pernas em uma esteira.

Em meio a reabilitação, os pacientes podem descobrir uma nova maneira de encarar a realidade, como é o caso de José Messias da Silva, 49, que sofreu um acidente de trabalho, ocasionando a amputação acima de seu joelho esquerdo. “Nunca pensei que fosse conseguir voltar a andar. O tratamento aqui é maravilhoso e os profissionais também”, destaca José Messias. Os ganhos na mobilidade foram essenciais para ele, que é morador de Narandiba, interior de São Paulo, e faz reabilitação na unidade da Vila Mariana, capital paulista. “Tive a oportunidade de me sentir melhor que antes de sofrer o acidente e montei uma confeitaria, além de fazer curso de Turismo Rural”, completa.

Em 2014, a entidade se tornou a primeira instituição brasileira a conquistar a acreditação da Commission on Accredition of Rehabilitation Facilities, organização internacional renomada em reabilitação e reconhecida mundialmente pelos níveis altos de exigência de qualidade.

No aspecto de recuperação da mobilidade, o grande desafio é voltar às atividades cotidianas, destaca Maria Cecilia dos Santos, diretora de Fisioterapia do IMREA. “Os programas da Fisioterapia visam o máximo de independência funcional do paciente, principalmente para recuperar a autonomia para realizar ações rotineiras; são exercícios específicos com o paciente no ambiente terapêutico”, complementa Cecília.

A diretora de Terapia Ocupacional e das oficinas terapêuticas, Gracinda Rodrigues, também ressalta que o serviço de T.O. propõe atividades baseadas nas experiências específicas de cada paciente, considerando, inclusive, o aspecto econômico. A partir dessa avaliação inicial, as terapias são baseadas em atividades diárias, como preparar comida e outras da vida diária. “A prioridade é a autonomia do paciente, para que tenha independência em suas atividades”, acrescenta Gracinda.

Para ser atendido pela Rede de Reabilitação Lucy Montoro é necessário que o paciente receba do médico da rede pública de saúde o encaminhamento para a reabilitação e entre em contato com o Departamento Regional da Saúde para agendamento da triagem.

COMENTÁRIOS