Comece 2019 sem o hábito do cigarro

Comece 2019 sem o hábito do cigarro

Reconhecido como doença crônica, o tabagismo traz diversos malefícios à saúde. Ao deixar de fumar, além de melhorar a saúde, a pessoa economiza R$ 2.007,50 em um ano. Em 5 anos, por exemplo, mais de R$ 10 mil serão poupados.

Segundo a psicóloga especialista Ivone Charran, no entanto, parar de fumar não é fácil. “Cerca de 5% dos fumantes conseguem abandonar o cigarro sozinhos, sem tratamento ou acompanhamento médico. O restante, ou 95%, precisam de ajuda especializada”, afirma.

A cada tragada em um cigarro, o indivíduo inspira mais de quatro mil substâncias. Entre elas estão a nicotina, o alcatrão, o monóxido de carbono, e mais outras 60 que são comprovadamente cancerígenas. Seus efeitos à saúde se. Já os fumantes passivos têm risco 30% superior de desenvolver um câncer de pulmão quando comparados aos que ficam longe da fumaça. Para o fumante passivo, o tabagismo é a terceira morte evitável.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 6 milhões de pessoa morrem em todo o mundo em decorrência do consumo de tabaco. Em 2030, a OMS estima que morrerão 8 milhões. O cigarro contém mais de 4,7 mil substâncias tóxicas e nicotina, que causa dependência física ou psíquica. Não existem níveis seguros para consumo.

Confira algumas dicas que podem ajudar quem deseja parar de fumar em cartilha feita pela Secretaria de Saúde.

Risco de câncer

O câncer de laringe é o segundo tipo de câncer respiratório mais comum no mundo, atrás apenas do de pulmão. Segundo levantamento do Inca (Instituto Nacional do Câncer), que estima a incidência de câncer no Brasil, o câncer de laringe será o oitavo tipo mais comum entre homens no biênio de 2018-19.

Segundo o estudo, estimam-se 6.390 novos casos deste câncer em homens entre este ano e o próximo. O risco estimado será de 6,17 casos a cada 100 mil homens. A doença é mais incidente em homens com idade superior a 40 anos.

De acordo com a chefe de oncologia clínica do Icesp (Instituto do Câncer de São Paulo Octavio Frias de Oliveira), Maria Del Pilar Estevez Diz, o aumento da incidência do câncer de laringe está associado, principalmente, ao hábito de beber e fumar.

“Bebidas alcoólicas ressecam as cordas e são as principais causadoras de câncer na laringe”, explica a fonoaudióloga Ariana Alves, endossada pela colega de trabalho Jéssica Toledo. “Cuidar da saúde de maneira geral colabora com a voz, pois as cordas vocais são músculos como qualquer outro, e são beneficiadas quando todo o quadro é saudável”, completa.

Casos diagnosticados em estágio inicial da doença têm melhores chances de cura desse câncer.

Lei Antifumo

Uma estratégia para ajudar a quem quer parar de fumar pode estar fora dos corredores das clínicas. Um exemplo disso foi praticado em agosto de 2009 pelo Estado de São Paulo, quando deu um importante passo em defesa da saúde pública ao colocar em vigor a Lei Antifumo.

Com ela, ficou proibido fumar em estabelecimentos comerciais de uso coletivo, como bares, restaurantes e casas noturnas, sujeito à multa para os interventores.

Pedro Nogueira, que frequenta bares e casas noturnas, relata as mudanças. “Melhorou muito os ambientes fechados após a criação da Lei. No passado, tinha locais que eu deixava de ir por conta do excesso de fumantes que iam lá e não respeitavam o ambiente”, diz.

COMENTÁRIOS