Dia de combate ao tabagismo tenta prevenir doenças associadas ao fumo

Dia de combate ao tabagismo tenta prevenir doenças associadas ao fumo

Estado de São Paulo foi pioneiro em lei que proíbe o cigarro em ambientes fechados e oferece tratamento a quem deseja deixar o hábito

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que anualmente cerca de 6 milhões de pessoas morrem no mundo em decorrência de doenças relacionadas ao fumo, como diversos tipos de cânceres. Isso faz do tabagismo a principal causa de mortes evitáveis, ou seja, de doenças relacionadas a hábitos inadequados. A luta contra o tabaco tem sua discussão central no dia 31 de maio, adotado como o Dia Mundial Contra o Tabagismo.

Uma das maneiras de prevenir tais doenças é limitando a possiblidade de acesso ao cigarro, e o Estado de São Paulo foi pioneiro nessa iniciativa ao criar, em 2009, a Lei Antifumo, que proibiu totalmente o consumo do cigarro em ambientes fechados. “Essa lei garantiu a existência de ambientes completamente livres do fumo. Mudar costumes é uma coisa demorada, que às vezes leva décadas, mas conseguimos transformar o comportamento das pessoas, que estavam habituadas a fumar em ambientes fechados”, conta Cristina Megid, diretora do Centro de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo.

Ela lembra que a criação da lei foi cercada de polêmicas. Donos de bares e restaurantes temiam prejuízos com a ausência de fumantes, mas ela explica que nada aconteceu. “Felizmente os empresários entenderam e deram essa contribuição à sociedade”, explica.

Pesquisas apontam várias vantagens da aprovação da lei, como queda no índice de monóxido de carbono nos ambientes fechados e a redução do número de mortes por infarto e acidente vascular cerebral, males que podem ser causados pelo fumo. “Isso nos mostra que estamos no caminho certo, e temos de continuar cuidando da população. Salvar vidas é a nossa meta”, conclui Cristina.

Para quem deseja deixar de fumar, a Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo oferece o Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (CRATOD), que oferece atendimento especializado a tabagistas em mais de 150 unidades de saúde em todo o Estado.

“Eu busquei ajuda no CRATOD para conseguir parar de fumar. Fui muito bem recebida pela equipe. Já estou fazendo acompanhamento há 3 semanas e estou muito contenta”, explica a paciente Maria Antônia da Silva.

COMENTÁRIOS