Em SP, são encontrados ​em média 2,5 criadouros do Aedes Aegypti por residência

Em SP, são encontrados ​em média 2,5 criadouros do Aedes Aegypti por residência

Balanço inédito realizado pela Secretaria de Estado da Saúde, por meio do Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa) aponta que em média, 2.5 criadouros do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya são encontrados em cada residência do Estado de São Paulo.

A pesquisa classificou os tipos de recipientes em: depósitos elevados (sótãos/forros); depósitos não elevados (ao nível do solo); móveis (vasos de plantas, garrafa pet, potes plásticos); fixos (calhas, lajes, piscinas) pneus; passíveis de remoção (toldos, entulhos, sucatas) e os naturais (plantas, ocos de árvore, bambu por exemplo).

A maior prevalência de larvas do Aedes é em recipientes móveis, chegando a 1,3 criadouros por casa positiva. Os depósitos elevados e não elevados, bem como os recipientes naturais e pneus apresentaram índices pouco expressivos, mas também é preciso manter atenção a esses locais, impedindo o acúmulo de água.

“Manter o meio ambiente limpo e preservado contribui para a saúde coletiva. Como 80% dos criadouros do Aedes aegypti estão nas residências, pedimos a colaboração de toda a população para combater o mosquito e, assim, garantir a prevenção contra dengue, zika e chikungunya”, diz o Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

O resultado do Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), realizado pelos municípios e divulgado pela Sucen (Superintendência de Controle de Endemias) entre os meses de outubro e novembro, indica que dos 624 municípios que participaram do balanço, 482 apresentam situação satisfatória, 134 estão em alerta (confira a lista clicando aqui) e somente 8 municípios Barra do Turvo, Bento de Abreu, Iguape, Jacupiranga, Pedrinhas Paulista, Restinga, São Vicente e Tuiuti) estão em situação de risco quanto à proliferação do mosquito.

A classificação de um local como satisfatório, alerta ou risco é calculada com base no Índice de Infestação Predial (IIP). Esse indicador entomológico é calculado pelo número de recipientes com presença de larvas de Aedes aegypti em 100 imóveis pesquisados, sendo considerados satisfatórios aqueles com até 1; alerta, de 1 a 3,9; e risco, acima de 3,9.

Conforme diretriz do SUS (Sistema Único de Saúde), o trabalho de campo para enfrentamento ao Aedes é responsabilidade dos municípios. O Governo do Estado dá suporte no diagnóstico (por meio do Instituto Adolfo Lutz) e em ações de treinamento e monitoramento.

Semana de combate ao Aedes

Entre 2 e 7 de dezembro, acontece a Semana Estadual de Mobilização contra o Aedes aegypti, que engajará a sociedade civil, municípios e organizações públicas e privadas para uma mobilização em SP, focado em controlar a proliferação do mosquito.

Nesse período, a Saúde pede a colaboração de toda a população, e elenca aqui as principais dicas de prevenção: deixar a caixa d’água bem fechada e realizar a limpeza regularmente; retirar dos quintais objetos que acumulam água; cuidar do lixo, mantendo materiais para reciclagem em saco fechado e em local coberto; eliminar pratos de vaso de planta ou usar um pratinho que seja bem ajustado ao vaso; descartar pneus usados em postos de coleta da Prefeitura.

A Semana Estadual sucede a “força-tarefa” das Secretarias de Estado da Saúde e de Educação, em curso nesta semana (25 e 30 de novembro), que engloba atividades em escolas públicas e privadas focadas no ambiente escolar. O objetivo é eliminar potenciais criadouros do inseto, mantendo o espaço “em ordem” para o período de férias. A ideia é evitar que as águas da chuva fiquem acumuladas durante o recesso.

Cenário epidemiológico

Em 2019, até 11 de novembro, foram confirmados 390.654 casos de dengue, com 256 óbitos. Houve ainda 72 casos de zika e 280 de chikungunya, sem óbitos de ambas as doenças.

A dengue é uma doença sazonal, com oscilação de casos e aumento a cada três/quatro anos, em média. Em 2015, por exemplo, SP registrou recorde de infecções, com 709.445 casos e 513 óbitos. Devido a circulação do sorotipo 2 de dengue, neste ano, mesmo os pacientes que já tiveram dengue tipo 1, por exemplo, estão suscetíveis a infecções, o que contribui para o aumento de casos e até mesmo para a ocorrência de quadros clínicos mais graves.

Dez cidades concentram 43,2% dos casos de dengue confirmados e somam 169.062 casos. A saber: São José do Rio Preto (32.822); Campinas (26.246); Bauru (26.088); Araraquara (23.876); São Paulo (16.617); Ribeirão Preto (13.748); Birigui (7.916); Araçatuba (7.782); Presidente Prudente (7.584) e Guarulhos (6.383).

COMENTÁRIOS