Envelhecimento ativo é meta de São Paulo

Envelhecimento ativo é meta de São Paulo

Segundo dados da Fundação Sistema Estadual de Análises de Dados, a população idosa do Estado de São Paulo representa 13,19% da população total (cerca de 5,6 milhões de pessoas). O novo perfil populacional requer ações efetivas e integradas para garantir o envelhecimento ativo do idoso, fortalecendo seu papel social.

Por isso, o Governo do Estado mantém diversos serviços voltados para essa parcela populacional, com destaque para o Programa SP Amigo do Idoso. A iniciativa foi criada para ampliar a rede de proteção social à pessoa idosa já existente, envolvendo onze secretarias de Estado, iniciativa privada e população, com o objetivo de criar uma comunidade verdadeiramente amiga do idoso.

Um dos pilares do projeto é tornar os municípios paulistas ambientes mais seguros para a população, diante de seu acelerado envelhecimento.

“É necessário incorporar o tema da violência contra idosos entre toda a sociedade, a fim de se criar uma cultura para o envelhecimento com foco na garantia de direitos”, afirma o secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Gilberto Nascimento.

Com o tempo, a iniciativa passou a oferecer o “Selo Intermediário SP Amigo do Idoso”, por conta das boas práticas públicas voltadas às pessoas idosas.

Em 2018, município de Ribeirão Grande, na região de Itapeva, se tornou o primeiro do Estado. A prefeitura cadastrou os idosos no CadÚnico, realizou ações de saúde bucal e ampliou a cobertura dos idosos que têm direito ao Benefício de Prestação Continuada (BPC).

“O reconhecimento é um incentivo para os municípios de todo o Estado, em razão da demanda crescente de políticas para o público atendido pelo programa”, destaca Franciele Panaino, diretora do Núcleo de Avaliação e Supervisão da Diretoria Regional de Assistência e Desenvolvimento Social de Itapeva, órgão ligado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social.

Atendimento

A rede socioassistencial atende mais de 500 mil idosos por meio de 1.836 serviços distribuídos nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS), Centros de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), Centros de Convivência do Idoso (CCI), Centros Dia do Idoso (CDI), Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI) e Entidades Sociais.

Ainda estão em execução os programas Vila Dignidade, que será voltado ao atendimento de idosos independentes e em situação de vulnerabilidade social; o Selo Amigo do Idoso, criado para estimular os municípios e entidades públicas e da sociedade civil a implantarem ações referenciadas pelo Programa São Paulo Amigo do Idoso; e o Fundo Estadual do Idoso, destinado a financiar programas e ações com o objetivo de assegurar os direitos sociais e a promoção da autonomia, integração e participação efetiva da população idosa na sociedade.

Os interessados podem obter mais informações sobre o programa pela internet.

COMENTÁRIOS