Equipamento inteligente ‘pensa’ e ‘respira’ por paciente em UTI

Equipamento inteligente ‘pensa’ e ‘respira’ por paciente em UTI

 Instituto do Câncer do Estado de SP é o primeiro hospital oncológico do SUS a ter aparelho que reduz a necessidade de intubação e desliga sozinho quando paciente volta a respirar

         O Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), ligado à Secretaria de Estado da Saúde e à Faculdade de Medicina da USP, implantou em um novo equipamento capaz de “pensar” pelo paciente.

Um ventilador pulmonar, instalado na UTI da unidade, acompanha as funções vitais da pessoa, podendo até normalizar sua respiração, por exemplo. Com 35 novos equipamentos alocados na Unidade de Terapia Intensiva, o Icesp é o primeiro hospital oncológico do SUS a oferecer esse tipo de serviço.

O ato de respirar é controlado pelo cérebro, que envia um sinal para o diafragma, provocando a contração muscular e a entrada de ar nos pulmões. Com o ventilador pulmonar inteligente, esta atividade elétrica do diafragma é capturada, transmitida para o aparelho e usada para auxiliar a respiração do paciente.

Os equipamentos, de alta tecnologia, são sensíveis a ponto de soprar só a quantidade necessária de ar, proporcionando sincronia da função respiratória, e desligam automaticamente quando “percebem” que o paciente voltou a respirar.

Essa sincronia pode minimizar o desconforto e a agitação, promovendo maior segurança ao paciente e proporcionando uma transição suave para a respiração natural. Além disso, é possível reduzir a sedação e trazê-lo ao convívio social bem mais rápido.

“Em muitas situações, a pessoa para de respirar devido a alguma obstrução ou fraqueza pulmonar. Por isso, a ventilação pode salvar vidas, permitindo de forma artificial, o processo de inspiração e expiração. Além disso, equipamentos como esse podem ser usados como suporte para monitorar a atividade respiratória em outras situações, estabilizando o caso antes de necessitar de uma intubação”, explica a coordenadora da UTI do Icesp, Ludhmila Abrão Hajjar.

COMENTÁRIOS