Especialistas em acromegalia organizam workshop para tirar dúvidas de pacientes

Especialistas em acromegalia organizam workshop para tirar dúvidas de pacientes

Unidade é referência nacional no atendimento da doença rara que pode causar gigantismo

 

O Hospital de Transplantes Euryclides de Jesus Zerbini realiza nesta quinta-feira (12), das 9h as 12h, encontro inédito com mais de 60 pacientes que sofrem de acromegalia, uma doença rara que pode causar gigantismo. A unidade é um dos centros de referência para tratamento da doença no país. Atualmente, mais de 150 pacientes acromegálicos com idade média entre 30 a 40 anos estão em acompanhamento ambulatorial. O Hospital de Transplantes é uma unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo gerenciada em parceria com a SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina).

A doença rara, que pode causar gigantismo, é ocasionada pelo excesso da produção do hormônio do crescimento (GH). A produção está ligada à presença de tumores benignos na hipófise. A acromegalia acomete tanto homens como mulheres. Desde 2009 o hospital já realizou cerca de 300 cirurgias para retirada de tumores hipofisários. Após o procedimento cirúrgico, o paciente pode precisar de tratamento complementar com medicamentos e reposição hormonal ao longo da vida.

O workshop foi organizado por especialistas com o objetivo de esclarecer as dúvidas dos pacientes que estão em tratamento no Hospital. A equipe multidisciplinar, que envolve especialistas como neurocirurgiões, neuroendocrinologistas, prepararam um filme que será exibido aos pacientes para esclarecer o procedimento cirúrgico de retirada do tumor na hipófise, via transesfenoidal (via nariz).

A acromegalia é uma doença de difícil diagnóstico e leva em média 10 anos para ser descoberta e pode estar associada a outras doenças crônicas, tais como diabetes, hipertensão e dislipidemia (colesterol alto). O diagnóstico é realizado ao se observar o aumento das mãos, pés e face, chamados de tecidos moles.  “Cerca de 90% das cirurgias de tumores pequenos evoluem com a remissão da doença”, explica a neuroendocrinologista do Hospital de Transplantes, Dra. Martha Katherine Paniagua Huayllas.

Na programação, estão previstas palestras sobre a importância da adesão aos medicamentos, geralmente injetáveis. Uma equipe multiprofissional estará reunida para falar sobre reposição hormonal, hormônio feminino e masculino, tratamento do diabetes, hipertensão e realização de exames.

 

 

COMENTÁRIOS