Estudo comprova eficácia da atividade física em pacientes com câncer

Estudo comprova eficácia da atividade física em pacientes com câncer

 

Um estudo conduzido pela pesquisadora Fabiana Reis, com colaboração de copesquisadores e orientação da coordenadora médica do Serviço de Reabilitação do Icesp, Dra. Christina Brito, confirmou a eficácia das atividades físicas para pacientes em fase de tratamento contra o câncer.

A pesquisa considerou 600 pacientes submetidos ao programa de condicionamento físico, praticado duas vezes por semana ao longo de três meses. O seguimento pós-alta, com análise final completa, após um ano, contemplou 287 pacientes.

Após 12 semanas de exercícios supervisionados, observou-se a redução de 50% da fadiga relacionada ao câncer, ganho de 29,7 % de qualidade de vida e, também, ganho de 22,4% de capacidade física. 

No grupo que foi estudado, estão pacientes que passaram pelo tratamento do câncer hematológico, de mama, próstata e cólon, entre outros. Constatou-se, ainda, benefícios na capacidade cardiopulmonar dessas pessoas, na força muscular, flexibilidade, composição corporal, além de melhora da imagem corporal. Outro ponto importante considerado foi a melhora da depressão e da ansiedade. 

“Os participantes foram incluídos em um programa de exercícios estruturados e supervisionados. Todos eles foram submetidos a exercícios aeróbicos, resistidos e de flexibilidade”, explica a profissional de educação física do Icesp, Fabiana Reis.

“Os resultados confirmam que um programa de exercício físico é uma importante ferramenta para a reabilitação de pacientes oncológicos, contribuindo para a melhora da capacidade física e da qualidade de vida, e contribui para a melhor tolerância ao tratamento oncológico, bem como para o aumento dos níveis de atividade física a longo prazo”, afirma Dra. Christina Brito.

O estudo foi um dos destaques, premiado em primeiro lugar, no último Congresso Brasileiro de Medicina Física e Reabilitação. O trabalho está agora em fase final de preparo para publicação.

Combine a correria do dia a dia com exercícios

O sedentarismo é um problema real que atinge os moradores das grandes cidades. A rotina estressante e cansativa impede muitas vezes que as pessoas reservem um tempo para a dedicação de exercícios.

Para driblar a falta de tempo, coordenador do Programa Agita São Paulo e diretor-científico do CELAFICS (Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul), o Victor Matsudo, afirma que o sedentarismo pode ser evitado com uma rotina simples de pequenos exercícios.

“Com 10 minutos andando até o seu trabalho, mais 10 minutos indo do trabalho até o restaurante do almoço e mais 10 minutos voltando, você carimba o passaporte da saúde e não pode ser mais acusado de ser uma pessoa sedentária”, sugere Victor, sobre a fórmula de reservar 30 minutos diários a atividades físicas.

Alguns grupos com dificuldade de mobilidade também devem encarar o sedentarismo. Para as grávidas, por exemplo, o ideal é não exagerar na hora da malhação, mas de jeito nenhum abandonar a atividade física (sempre com o acompanhamento de um especialista).

“Os benefícios de um estilo de vida ativo para grávidas vão desde o controle de peso e de glicemia até a prevenção de hipertensão. As gestantes devem ter consciência que, nesse momento, os riscos não se aplicam somente a ela. Ao bebê também”, explica Timóteo Araújo, presidente do Celafiscs.

Os idosos também devem ser atentar a manter uma rotina que inclua exercícios físicos moderados. A prática constante é um meio de evitar tombos e manter os músculos firmes e o reflexo em dia.

“Segundo a OMS, idosos fisicamente ativos tem a menor prevalência de depressão se comparado a idosos que não praticam atividade física. A autoestima está diretamente ligada a isso”, completa Maria Simone Barreto, fisioterapeuta.

COMENTÁRIOS