Fica a dica! Evite pragas urbanas durante o verão

Fica a dica! Evite pragas urbanas durante o verão

As altas temperaturas, características do verão, são propícias para o aumento na reprodução das chamadas pragas urbanas (moscas, pernilongos, baratas, ratos, escorpiões, formigas, cupins ou carrapatos). Para driblar o problema, é preciso dificultar água, abrigo, alimento e acesso para as pragas, também conhecidos como os “quatro A’s”.

De acordo com o pesquisador do Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Francisco José Zorzenon, as pragas urbanas ocorrem durante todo o ano, mas neste período a ocorrência aumenta em razão da maior oferta de água e alimento e a capacidade de reprodução mais frequente e veloz desses organismos. “Quanto mais fatores essenciais às pragas forem suprimidos, menores são as chances delas se estabelecerem. Se deixarmos lixo ou qualquer alimento disponível e de fácil acesso, logo aparecerão baratas, ratos, moscas e formigas, dentre outras pragas”, afirma Zorzenon.

O aumento das baratas, por exemplo, resulta na maior ocorrência de escorpiões e aranhas, que são seus predadores. “O lixo e a falta de saneamento favorecem o aparecimento e a manutenção de baratas e consequentemente, mais escorpiões surgirão. É um ciclo. Por isso, há a necessidade de prevenção contínua dessa praga”, diz o pesquisador.

A dona de casa Maria Eunice Martins, moradora da Vila Iolanda, na zona leste de São Paulo, observa o aumento dessas pragas nesta época. “Aonde eu moro tem muito bueiro perto e nesta época fica lotado e baratas. Além de fechar minha casa mais cedo, evito deixar bagunça armazenada na garagem ou não por o lixo nos dias certos”, conta.

A também dona de casa, Cida Aguiar, moradora da Penha, sempre toma cuidado para evitar que os mosquitos se desenvolvam no apartamento em que reside. A prática começou quando ela morava em uma casa. “O cultivo era no jardim que não tivesse vasos. As plantas que não fossem de jardim, tipo orquídeas e samambaias, eram penduradas. Quando eu as molhava, não havia acúmulo de água. Hoje, as minhas plantinhas são suculentas, pois não preciso molhar sempre”, revela.

Para casos de animais peçonhentos, “é fundamental que as pessoas sigam as dicas abaixo em casos de acidentes esses bichos e procurem, o quanto antes, o serviço médico mais próximo”, alerta o biólogo Giuseppe Puorto. 

Veja abaixo algumas dicas para evitar a ocorrência dessas pragas, principalmente no verão. E, caso elas já estejam na sua casa, saiba como resolver o problema.

Prevenção
– Não deixar água acumulada em caixas d’água, ralos, piscinas, calhas, pneus e latas. Água parada, mesmo limpa, pode ser criadouro de mosquitos, inclusive dos que transmitem dengue, febre amarela, Chikungunya, elefantíase e malária;

– Não vá pelo caminho mais fácil: o plantio de crotalaria, a aplicação de vinagre e repelentes elétricos não eliminam os mosquitos. Essas práticas não têm comprovação científica;

– Não deixe lixo acumulado nos quintais;

– Deixe os alimentos em ambiente refrigerado e em local de difícil acesso para essas pragas.

Combate às pragas
– Tente identificar qual praga está em sua casa. Caso não consiga, procure um especialista, que vai indicar a melhor forma de combatê-la;

– Em caso de infestação severa, chame uma empresa especialista em pragas urbanas. Cada espécie é controlada de uma forma e para isso, podem ser utilizados produtos distintos, que devem ser aplicado apenas por pessoas habilitadas;

– O Instituto Biológico pode esclarecer algumas dúvidas da população pelo seu site www.biologico.agricultura.sp.gov.br, por meio do sistema Fale Conosco. Mais de mil dúvidas são respondidas anualmente pelo Instituto.

COMENTÁRIOS