Fundação Pró-Sangue busca doadores do tipo O+

Fundação Pró-Sangue busca doadores do tipo O+

Estoques desse tipo sanguíneo se esgotam com mais rapidez e podem faltar rapidamente aos pacientes que precisam

A Fundação Pró-Sangue, instituição ligada à Secretaria de Estado da Saúde e ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), alerta para a necessidade de doação constante o sangue de tipo O+. Os níveis desse tipo estavam em estado de alerta na última atualização, feita no dia 19.

Embora seja o mais comum entre os brasileiros, e portanto com maior potencial de doadores, o sangue tipo O+ também é o que tem mais demanda, já que os portadores desse tipo sanguíneo podem receber apenas o sangue desse mesmo tipo.

Mas a doação de sangue é uma necessidade premente para todos os tipos, avisa a Fundação, que mensalmente coleta e processa cerca de 12 mil bolsas de sangue destinadas ao atendimento de cerca de 100 instituições públicas da rede estadual de saúde, entre elas o Hospital das Clínicas, o Instituto do Coração, o Instituto do Câncer de São Paulo e o Hospital Dante Pazzanese. Hoje, estima-se que o estoque geral é de 40% do que seria o considerado ideal.

“É importante que as pessoas que moram perto de hemonúcleos e bancos de sangue procurem estas unidades para a doação. O sangue e as plaquetas são essenciais para os atendimentos de urgência e emergência”, explica Dante Langhi, diretor da Rede Nacional de Serviços de Hematologia e Hemoterapia (Hemorrede).

No último dia 14 foi celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue, com o objetivo de ampliar a conscientização sobre a oferta de sangue seguro, mas sobretudo de agradecer aos doadores de sangue pelo seu gesto que salva vidas.

O sangue doado nos postos da Fundação Pró-Sangue é distribuído para mais de 100 unidades públicas de saúde de São Paulo. Neste ano, a fundação comemorou 4,5 milhões de bolsas coletadas desde sua criação, em 1984, mas o número não reduz a necessidade constante de doações.

“Para doar sangue basta estar em boas condições de saúde, vir alimentado, ter entre 16 e 69 anos (para menores, consultar site da Pró-Sangue), pesar mais de 50 kg e trazer documento de identidade original com foto recente, que permita a identificação do candidato. Vale lembrar que é bom evitar alimentos gordurosos nas 4 horas que antecedem a doação e, no caso de bebidas alcoólicas, 12 horas antes. Se a pessoa estiver com gripe ou resfriado, não deve doar temporariamente” explica o presidente da Fundação, Vanderson Rocha.

Vale lembrar que é bom evitar alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem a doação, e 12 horas no caso de bebidas alcoolicas. Quem se resfriar deve esperar pelo menos uma semana após a recuperação para estar novamente apto.  “É muito importante que as pessoas que chegam para doar sangue estejam cientes dos impedimentos temporários e definitivos”, completa a médica hometerapeuta Sandra Esposti.

A Fundação Pró-Sangue é uma instituição pública ligada à Secretaria de Estado da Saúde e ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), mantendo com a última estreito laço de cooperação acadêmica e técnico-científica. Criada em 1984, a FPS tem como principal missão fornecer sangue, hemocomponentes e serviços hemoterápicos concordantes com a legislação vigente e com os padrões internacionais de qualidade.

“Precisamos conscientizar as pessoas da importância de doar sangue, de salvar vidas. Doar sangue precisa se tornar um hábito para nossa população”, explica o secretário Marco Antônio Zago.

Todas as bolsas de sangue doadas na FPS permanecem inicialmente em quarentena, aguardando a realização de exames obrigatórios pela legislação vigente destinados fundamentalmente à detecção de doenças infecciosas transmitidas pela transfusão, como doença de Chagas, sífilis, HIV, hepatites B e C e HTLV-I e II, e teste NAT (em inglês, Teste de Ácido Nucleico) para hepatites B e C e HIV. Somente após confirmação de resultados negativos em todos esses testes, as bolsas são liberadas para uso nas instituições de saúde.

COMENTÁRIOS