Gestação de risco: Pré-natal precoce pode evitar complicações durante e após o parto

Gestação de risco: Pré-natal precoce pode evitar complicações durante e após o parto

Quando fala-se em gestação de risco, logo pensamos na futura mamãe passando o período gestacional deitada o tempo todo, sem poder realizar nenhum tipo de tarefa. Porém, diversas situações que não obrigam a mulher ficar em repouso, também são relacionadas a esse tipo de gestação.  Mas afinal, o que é uma gestação de risco?

Qualquer gravidez que tenha um risco biológico, psicológico ou social associado é considerada de risco, explica Maria Rita Lemos Figueiredo, diretora obstétrica do Hospital das Clínicas. Uma gravidez antes dos 18 ou após os 36 anos de idade, pode ser considerada de risco, já que a mulher e o bebê ficam mais vulneráveis a possíveis complicações à saúde que vão desde hipertensão a diabetes.

Durante uma gestação na adolescência, pode haver complicações, uma vez que o organismo ainda está em formação, sofrendo um risco maior de quadros de hipertensão. Já após os 36 anos há uma chance maior de risco pelo envelhecimento dos óvulos, podendo ocasionar uma má formação fetal. Com o passar do tempo a gravidez torna-se mais delicada e deve ser cercada de maiores cuidados.

Os riscos de uma gestação são tanto para o feto quanto para a mãe. Para o bebê pode ocorrer má formação, parto prematuro e desnutrição. Além de potencializar possíveis doenças metabólicas durante o período da infância. Já a mulher pode desenvolver hipertensão arterial, diabetes e doenças associadas ao parto.

A melhor maneira de prevenção é através do pré-natal precoce, que oferecerá uma assistência adequada a gestante. Segundo a diretora obstétrica, “é importante que a gestante tenha uma dieta adequada, evitando engordar demais durante a gravidez e que ela mantenha uma atividade física”. Essas atitudes podem evitar  problemas à saúde tanto da mamãe e quanto do bebê.

COMENTÁRIOS