Homens de SP descobrem câncer de próstata no início

Homens de SP descobrem câncer de próstata no início

 Cerca de 70% dos pacientes que dão entrada no Icesp estão com a doença em fase inicial, aponta levantamento de 5 anos com 6 mil pacientes

Levantamento realizado pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), unidade ligada à Secretaria de Estado de Saúde e à Faculdade de Medicina da USP, apontou que cerca de 70% dos homens com câncer de próstata que dão entrada na unidade estão com a doença em fase inicial.

A pesquisa foi feita com base em 6 mil pacientes com câncer de próstata atendidos no Icesp nos últimos cinco anos. A instituição recebe cerca de 30 casos novos da doença por semana.

O dado indica que, apesar de o câncer de próstata continuar sendo o mais prevalente entre os homens – desconsiderados apenas os tumores de pele – e o sexto mais comum no mundo, a conscientização e a quebra de tabus relacionados aos exames de rastreamento da doença têm surtido efeito e levado uma quantidade maior de homens aos consultórios médicos.

Os números reiteram que, Por outro lado, apesar do levantamento positivo, os 30% dos casos diagnosticados em fase avançada – não mais passível de tratamento curativo – ainda preocupa os especialistas.

“O diagnóstico precoce é fundamental, pois permite tratamentos menos agressivos e com altos índices de sucesso. Por isso, a indicação dos especialistas é que, a partir dos 50 anos, a realização de exames de rotina vire um compromisso para toda a população masculina”, destaca William Nahas, coordenador do serviço de urologia cirúrgica do Icesp.

Sintomas x fatores de risco        

 Para os especialistas, a realização dos exames rotineiros é indispensável, pois os cânceres de próstata costumam ter uma evolução silenciosa nos estágios iniciais. Somente em fases mais avançadas os sintomas ligados a esse tipo de tumor começam a aparecer, sendo eles aumento da frequência das micções, dificuldade para urinar, sangramento na urina ou até mesmo insuficiência renal, em casos mais pontuais.

Além da presença nos consultórios e observação de possíveis sintomas, alguns fatores de risco não devem ser ignorados. Homens que possuem histórico de câncer de próstata em familiares de primeiro grau (pai e irmãos), bem como aqueles que são de etnia negra devem redobrar os cuidados, por apresentarem maior propensão em desenvolver a doença de forma mais agressiva.

COMENTÁRIOS