Icesp premia pesquisas e personalidades de destaque na luta contra o câncer

Icesp premia pesquisas e personalidades de destaque na luta contra o câncer

O Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), unidade ligada à Secretaria de Estado da Saúde e à Faculdade de Medicina da USP, realizou na noite de segunda-feira (5) a entrega do Prêmio Octavio Frias de Oliveira. Em sua décima edição, o evento tem como objetivo promover o reconhecimento e a contribuição nacional na prevenção e combate ao câncer.

O prêmio foi concedido em três diferentes categorias: Personalidade de Destaque em Oncologia, Pesquisa em Oncologia e Inovação Tecnológica em Oncologia. Os vencedores recebem uma premiação em dinheiro, no valor de R$ 20 mil cada, além de um certificado. Foram escolhidos por uma comissão julgadora formada por representantes do Icesp, do jornal Folha de S. Paulo e também de membros da sociedade comprometidos com o tema.

Na primeira categoria, Personalidade de Destaque, o ganhador foi o médico e divulgador científico Dr. Dráuzio Varella, um dos principais nomes da medicina e, especialmente, da oncologia do País. Formado em medicina pela USP em 1967, o “cancerologista”, como gosta de ser chamado, também é conhecido por popularizar a informação médica no Brasil por meio da publicação de livros, reportagens, documentários e séries televisivas.

Na segunda categoria, Pesquisa em Oncologia, o vencedor foi Andrew Maltez Thomas, cuja pesquisa apontou formas de diagnosticar o câncer colorretal por meio da análise da microbiota intestinal. O estudo, publicado no último mês de abril na revista Nature Medicine, teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) por meio de uma bolsa de Pesquisa no exterior, realizada na Universidade de Trento, na Itália. A descoberta pode abrir caminho para o desenvolvimento de exames não invasivos capazes de prever a ocorrência da doença.

Quem levou o prêmio em Inovação Tecnológica em Oncologia foi a pesquisadora Luciana Facchinetti de Castro Girão, doutora pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que obteve uma nova formulação do medicamento asparaginase, usado para tratar leucemia, com menos efeitos colaterais.

“A premiação é uma grande oportunidade de reconhecer o trabalho de cada um desses estudiosos da saúde. Isso precisa ser registrado, ainda mais nos tempos que vivemos hoje. Tal como Octavio Frias de Oliveira, nosso patrono, esses pesquisadores fazem seus nomes sob valores que Frias também comungava: o valor da essência, da perseverança e do empreendedorismo social”, comenta o coordenador do Centro de Investigação Translacional em Oncologia do Icesp e vice-diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Prof. Dr. Roger Chammas.

Presidente do Conselho Diretor do Icesp, Prof. Dr. Ivan Cecconello, aproveitou para agradecer a todos os pesquisadores presentes e ao Grupo Folha de S. Paulo pela parceria na realização do Prêmio Octavio Frias de Oliveira. “Em primeiro lugar, gostaria de agradecer à Folha por estar conosco em mais esta premiação. Junto a ela, agradeço a comissão julgadora, aos colaboradores e todos os pesquisadores do Icesp que ajudam a tornar esse hospital uma referência na área do ensino, pesquisa e assistência em oncologia”, ressalta Cecconello.

COMENTÁRIOS