Infecção urinária é mais suscetível em mulheres

Infecção urinária é mais suscetível em mulheres

As mulheres estão muito mais suscetíveis a contrair uma infecção urinária na vida em relação aos homens. E um dos fatores que contribuem para isso é a própria anatomia feminina, já que a uretra do aparelho genital feminino é mais curta e mais próxima do ânus do que a dos homens, o que possibilita a passagem de bactérias do ânus para a vagina.

Outros fatores de risco também envolvem alterações da flora vaginal como gestação, questões hormonais, diabetes, imunodepressão e fatores genéticos. Além das doenças crônicas, a atividade sexual intensa pode aumentar as chances de desenvolver infecção urinária.

Os principais sintomas da infecção urinária são ardência e dor ao urinar, dor na região mais baixa do abdome, aumento do ritmo para urinar, sangue e odor fétido na urina. Nas mulheres com diabetes, os sintomas podem não aparecer.

“É necessário que, ao perceber esses sinais, a mulher procure um urologista para ter diagnóstico adequado, pois a infecção urinária de repetição tem tratamento”, explica o médico do centro estadual. O médico ainda reitera que, quando a infecção urinária não é tratada corretamente, as bactérias podem subir para o rim e gerar várias complicações como infecção generalizada, que pode levar a óbito.

“Uma outra dica importante para as mulheres é procurar sempre urinar após a relação sexual, já que a entrada de bactérias na bexiga é favorecida por qualquer fator que as empurre na direção do órgão, como o próprio ato sexual ”, explica Cláudio Murta, urologista do Hospital de Transplantes Euryclides de Jesus Zerbini, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo gerenciada em parceria com a SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina).

As gestantes correm mais risco

As gestantes estão mais propensas a desenvolver a infecção urinária devido às alterações que o corpo passa tanto funcionais quanto anatômicas nos ruins e nas vias urinárias. Isso favorece a multiplicação de bactérias na região e coloca em risco a vida das futuras mamães.

Crislene Patrícia Henrique, paciente grávida e internada no Hospital Maternidade de Interlagos, comenta as dores fortes que a fez identificar os sintomas. “A febre estava muito forte, a dor nos rins era intensa e eu não conseguia comer, porque isso gerava fortes dores para sentar ou deitar. A gente fica sem posição confortável”.

Alexandre Nozaki, ginecologista do Hospital Maternidade Interlagos, alerta para os riscos de não identificar e tratar uma infecção urinária durante a gestação. “A infecção não tratada pode favorecer um trabalho de parto prematuro e, como consequência, o nascimento de bebês com baixo peso, que ficam internados por mais tempo”. O funcionamento dos rins da mãe também pode ser prejudicado e é nesse momento que entra a importância da hidratação. “A gestante precisa ingerir muito líquido, de 2 a 3 litros por dia, que é o recomendado para que não seja favorecido o aparecimento da infecção urinária”.

Outra dica importante é realizar o pré-natal desde o início da gravidez. Assim, é possível detectar e tratar a tempo qualquer alteração ou infecção que o corpo apresente.

Cuidados para evitar a infecção urinária em mulheres:

– Aumentar a ingestão de água todos os dias (pelo menos 1,5 litro diariamente).

– Ao higienizar a vulva e região perianal, limpar sempre no sentido da frente para trás com objetivo de evitar que bactérias passem do ânus para a vagina.

– Cuidar da alimentação para evitar a constipação (prisão de ventre). A probabilidade de contaminar as fezes com a urina pode ser maior nesses casos.

– Evitar manter a bexiga cheia e urinar pelo menos de quatro em quatro horas (exceto durante a noite).

– Higienizar a área genital antes da atividade sexual. Depois da relação, procurar urinar para expulsar as bactérias que possivelmente tenham penetrado na uretra e na bexiga.

COMENTÁRIOS