Instituto do Câncer abre sua cozinha para dar aulas a acompanhantes

Instituto do Câncer abre sua cozinha para dar aulas a acompanhantes

 

O Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) abre a cozinha do seu Hospital duas vezes por semana para o projeto Cozinha Experimental. O objetivo é inserir os pacientes na rotina da alimentação familiar. As aulas mostram a importância de uma alimentação saudável e econômica sem deixar de ser gostosa.

Pacientes com câncer costumam apresentar alteração no paladar, o que afeta diretamente na hora da alimentação. Diante disso, o Serviço de Nutrição e Dietética “Cozinha Experimental” ensina os pacientes a se alimentarem com mais qualidade, além de conhecerem a maneira correta de preparar os alimentos sem gastar muito. No encontro, as nutricionistas do Icesp explicam aos participantes como o consumo de uma mistura equilibrada e saborosa de alimentos pode auxiliar não só no paladar, como no tratamento oncológico.

“Mais do que buscar uma ‘dieta milagrosa’, que não existe, buscamos ressaltar sempre que uma alimentação equilibrada, com exceções esporádicas, e rica em alimentos naturais, é o que faz a diferença ao longo do tempo”, destaca o nutricionista Vitor Rosa, gerente de Nutrição e Dietética do Icesp.

Os pratos elaborados auxiliam no combate de alguns sintomas comuns do tratamento do câncer, como boca seca, diarreia, constipação intestinal, mucosas e feridas na boca, entre outros.

Algumas substâncias como o ômega 3, encontrada em peixes, diminuem a formação de compostos inflamatórios, o envelhecimento celular e a proliferação de células tumorais.As fibras solúveis, presentes em verduras como brócolis e couve-flor e frutas como a maçã, por outro lado inibem a formação tumoral, diminuindo a possibilidade de mutações genéticas.

 

Além de reconhecer alimentos saudáveis ao organismo, as aulas mostram também o que evitar durante as refeições. É o caso dos ultraprocessados, composto por uma série de aditivos e substâncias químicas nocivas ao corpo humano.

COMENTÁRIOS