Mortalidade por Aids cai mas infecção entre jovens gays cresce em SP

Mortalidade por Aids cai mas infecção entre jovens gays cresce em SP

Infecção entre homens que fazem sexo com homens mais que dobrou; dados são da Secretaria de Estado da Saúde 

Levantamento da Secretaria de Estado da Saúde, realizado por meio de seu Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids (CRT/DST-Aids) mostra que, embora a mortalidade por Aids esteja diminuindo no Estado, a detecção das novas infecções pelo HIV cresceu exponencialmente entre jovens gays em SP. 

A taxa de mortalidade pela doença em 2015 foi de 6 por 100 mil habitantes, 23,5% a menos do que em 2006 e 73,8% inferior à registrada desde 1995. No ano passado morreram 2.573 pessoas com Aids em todo o Estado, o que representa uma média de sete óbitos por dia.

Já a detecção de novas infecção pelo HIV entre homens que fazem sexo com homens apresentou aumento de 121% desde 2010, passando de 1.686 casos para 3.728 em 2015. No mesmo período a detecção entre homens heterossexuais também cresceu, mas em uma proporção bem menor: 28%.

As taxas de detecção do HIV na população como um todo cresceram 4,2 vezes entre 2000 e 2015, passando de 4,2 para 17,6 casos por 100 mil habitantes no período. Mas entre os homens o crescimento no período foi muito maior: 6,5 vezes, contra 1,8 no caso das mulheres. 

Em relação à idade, as maiores taxas de detecção do vírus em homens concentram-se entre jovens de 20 a 24 anos. Nessa faixa etária o índice de detecção subiu de 30,8 para 79,4 casos por 100 mil habitantes no período de 2010 a 2015.

Entre os homens de 25 a 29 anos a taxa de detecção passou de 35,9 para 70,5 no mesmo período. Mesmo entre os jovens do sexo masculino de 15 a 19 anos há uma tendência crescente de detecção do HIV. A taxa para essa faixa etária cresceu de 7,4 para 20,6 casos entre 2010 e 2015. 

Desde 1980 o Estado de São Paulo registrou 251.133 casos de Aids. A razão de sexo (homem/mulher), que apresentava declínio, desde 2008 vem crescendo, de 1,7 caso por 1 para 2,8 por 1 em 2015.

COMENTÁRIOS