#OutubroRosa Colaboradora do Instituto Butantan que tratou câncer de mama conta sua história

#OutubroRosa Colaboradora do Instituto Butantan que tratou câncer de mama conta sua história

Um diagnóstico precoce possibilita tratamentos menos invasivos, com maiores chances de sucesso e mais qualidade de vida ao paciente

Em fevereiro, a bióloga Samira Vieira descobriu um câncer de mama. O diagnóstico precoce, por meio da mamografia, permitiu que a doença entrasse em remissão em menos de um ano. “No dia 26 de fevereiro eu fiz a mamografia. Na semana seguinte, eu já estava conversando com o Mastologista e, pelas imagens da minha mamografia, eu já estava com um tumor ocupando um grande espaço da minha mama direita”.

Samira conta também sobre a velocidade com que o diagnóstico foi feito e sobre como as notícias foram chegando. “não deu tempo nem de cair a ficha, nem de ficar desesperada porque antes de eu ter noção de que eu estava com um câncer bem grande na minha mama direita, eu já estava sendo assistida para fazer a cirurgia”.

Um diagnóstico precoce possibilita tratamentos menos invasivos, com maiores chances de sucesso e mais qualidade de vida ao paciente. “O câncer de mama é a multiplicação incontrolável de células anormais, podendo ter origem por alterações genéticas (adquiridas ou hereditárias) e boa parte dos diagnósticos tem evolução favorável se tratados em tempo adequado”, destaca o médico chefe do Serviço de Mastologia do Instituto do Câncer de São Paulo (Icesp), José Roberto Filassi.

Alguns fatores como alimentação saudável, prática regular de atividade física e conhecer o próprio corpo são fundamentais na prevenção da doença. É importante que as mulheres fiquem atentas aos sinais incomuns que seu corpo pode manifestar, como retração da pele, vermelhidão, inchaço com aspecto semelhante à casca de laranja, ferida ou descamação do mamilo e saída de secreção. “Visitar o médico anualmente e realizar exames de rotina podem auxiliar na detecção inicial do câncer e de outras doenças”, reforça o mastologista.

“Corra atrás, investigue seu corpo, não tenha medo de receber um diagnóstico desse também. Porque se ele vier, é o começo da cura. Você saber que está com câncer é o começo da cura”, conclui Samira.

Carreta Mulheres de Peito

Carreta “Mulheres de Peito”

Durante todo o ano, a Secretaria da Saúde oferece exames em regiões diversas do Estado por meio das carretas do Programa “Mulheres de Peito”, serviço-móvel que oferece mamografias gratuitas, sem necessidade de pedido médico, para mulheres entre 50 e 69 anos de idade. Neste momento, há carretas em São José dos Campos, Presidente Prudente, Bauru e Cotia.

As imagens captadas pelos mamógrafos são encaminhadas para o Serviço Estadual de Diagnóstico por Imagem (Sedi), serviço da Secretaria que emite laudos à distância, na capital paulista. Desde 2014, já foram realizadas 212 mil exames de mamografia.

“O exame salva vidas. A mamografia faz uma detecção precoce, o que não impede que o câncer apareça, mas a descoberta num estágio inicial impede que ele evolua”, explica a supervisora do Mulheres de Peito, Fabiana Angélica de Oliveira.

Com o objetivo de conscientizar e incentivar a prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama, unidades estaduais de Saúde montaram uma programação especial para o “Outubro Rosa”.“As ações em celebração ao ‘Outubro Rosa’, tem como objetivo, principalmente, chamar a atenção sobre a importância da prevenção e detecção precoce do câncer de mama”, afirma o Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

 O programa também tem o telefone 0800 779 0000 para o agendamento de exames de mamografias. Nesse caso, o exame é feito num dos mais de 200 serviços de mamografia fixos, como AMEs, hospitais e clínicas.

COMENTÁRIOS