Pacientes com câncer vivem “dia de modelo” em desfile no Museu da Casa Brasileira

Pacientes com câncer vivem “dia de modelo” em desfile no Museu da Casa Brasileira

Iniciativa do Instituto do Câncer, em parceria com a Faculdade de Moda Santa Marcelina, reúne mais de 30 participantes entre homens e mulheres; Evento, gratuito e aberto ao público, chama atenção para a prevenção da doença

Neste sábado (14), a partir das 15h, quem passar pela frente do Museu da Casa Brasileira será convidado a entrar e assistir um espetáculo gratuito. A surpresa será uma imensa passarela, onde irão desfilar 35 modelos “reais”, de diferentes idades e biotipos, com uma característica em comum: todos os participantes estão em tratamento no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, unidade da Secretaria de Estado da Saúde, ligada à Faculdade de Medicina da USP.

De forma totalmente conceitual, o evento visa chamar a atenção para o valor da prevenção, uma vez que 80% dos casos de câncer, segundo o Inca, estão associados a fatores externos como má alimentação, sedentarismo, exposição inadequada à luz solar, tabagismo e prática sexual desprotegida. Além disso, reforça a importância do diagnóstico precoce, que permite tratamentos menos invasivos, com maiores chances de sucesso e mais qualidade de vida.

Foram 75 alunos – e futuros estilistas – da Faculdade de Moda Santa Marcelina os responsáveis pela produção dos figurinos, desenhados com base nas singularidades de cada paciente e desenvolvidos nos últimos dois meses. “Trabalhar de forma humanizada é não perder de vista a identidade dos pacientes com suas histórias, crenças e valores. No desfile, por meio dessas peças exclusivas, refletimos a capacidade dos indivíduos enfrentarem a doença com seus próprios recursos, se reinventando e celebrando cada avanço nessa imensa passarela que é a vida”, destaca a gerente de humanização Maria Helena Sponton.

A matéria prima para todos os modelos foi o tecido em jeans, fruto de doação de uma rede de varejo de moda que, aplicados de maneira reciclada, deram forma a vestidos, macacões, calças e jaquetas com recortes e bordados vistos em grandes semanas de moda brasileiras.

A abertura e apresentação do desfile ficam por conta de uma expert no assunto, a consultora Danielle Ferraz, que atua há mais de 20 anos com moda, assessorando grifes e personalidades. Em um workshop com os participantes, a especialista tratou a questão da imagem e de circunstâncias que costumam afetar uma pessoa em tratamento contra o câncer como a perda do cabelo e das sobrancelhas, o inchaço e o desânimo. Esses fatores costumam abalar a autoestima dos pacientes, mas podem sem contornados com simples “truques” de estilo e maquiagem.

Ansiosa pelo “fashion day” do Icesp, a paciente Josefa Maria da Silva, que recebeu o diagnóstico há um ano, explica que desfilar com um modelo “super diferente” é uma felicidade. “Eu nunca tinha pisado numa passarela. É uma forma de encontrar mais alegria para viver. O projeto leva energia positiva para muita gente que enfrenta o câncer”.

Serviço:

Desfile “Icesp na Passarela em Azul e Rosa”, no Museu da Casa Brasileira

14 de novembro, às 15 horas

Avenida Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano

Entrada gratuita

COMENTÁRIOS