Pacientes estomizados necessitam de cuidados com a alimentação

Pacientes estomizados necessitam de cuidados com a alimentação

Doenças como o câncer colorretal acometem o intestino grosso e o reto e, muitas vezes, é necessário realizar um caminho alternativo para eliminar os dejetos do organismo. Trata-se da exteriorização de parte do intestino delgado ou grosso na parede do abdômen, essa abertura é chamada de estoma.

Colostomia e ileostomia

São dois principais tipos de estomas de eliminação: colostomia, que pode ser realizada em qualquer parte do intestino grosso, e a ileostomia, que é a exteriorização da parte final do intestino delgado. Os estomas intestinais podem ser definitivos ou temporários, dependendo do tipo da doença e das condições de saúde.

Após a confecção do estoma, em geral, os hábitos alimentares podem ser os mesmos, mas requer alguns cuidados específicos para proporcionar mais conforto e segurança em relação às eliminações intestinais.

“Após a cirurgia, os alimentos vão sendo incluídos gradativamente na dieta. Os pacientes devem ser bem orientados a consumir todos os grupos de alimentos para que o organismo tenha um bom funcionamento”, destaca a estomaterapeuta Rita de Cássia Bandeira.

No pós-operatório é indicada uma dieta líquida e os alimentos são introduzidos de maneira progressiva, visando adaptação ao estoma. Posteriormente, inicia-se uma alimentação de consistência pastosa, com introdução gradativa de mantimentos crus. “Nessa fase, o paciente deve evitar aqueles que são fermentativos, como feijão, leite, ovo e alguns tipos de verduras e legumes, além de itens que podem causar obstrução intestinal e na ostomia, como pipoca, nozes e frutas com sementes”, alerta a nutricionista Fernanda Lancellotti.

Algumas dicas são importantes para melhorar a relação com a alimentação e o trânsito intestinal, como comer devagar e em pequenas porções, mastigar bem os alimentos, realizar de cinco a seis refeições diárias e ingerir aproximadamente de 1,5 a 2 litros de água por dia, que pode ser através de chá, suco ou vitamina.

Regular o intestino

É possível utilizar alguns alimentos para regular o funcionamento do intestino. Batata doce, frutos do mar, carnes defumadas, cebola, refrigerante e café podem causar desconforto gastrointestinal e provocar gases com odores desagradáveis, por isso devem ser evitados. Por outro lado, existem alimentos que ajudam a minimizá-los. Neste caso, aposte em ameixa, banana, maçã e pêssego e bebidas como chá de hortelã e iogurte.

Equilibre o consumo de itens laxativos, como abóbora, pepino, tomate, azeitona, leite e frutas cruas (laranja, mamão, manga e abacate) com alimentos do grupo dos obstipantes, como ricota, queijo branco, batata, arroz branco, banana, caju e maisena, que ajudam a controlar quadros de diarreia.

No dia a dia

O paciente com estoma intestinal não tem restrições às suas atividades de rotina, como ir ao trabalho, estudar, dirigir ou viajar. Talvez sinta a necessidade de realizar pequenas adaptações no dia a dia, como, por exemplo, levar uma bolsa coletora extra e material para higiene para troca, caso haja necessidade, como precaução. De maneira geral, sua vida segue normalmente. “Com um funcionamento intestinal adequado, alguns desconfortos são evitados e o convívio social é normal, permitindo uma rotina de atividades diárias e mantendo a qualidade de vida”, conclui a nutricionista.

Dicas

– Faça de cinco a seis refeições por dia;

– Coma pequenas porções;

– Se alimente devagar;

– Mastigue bem os alimentos;

– Não pule as refeições necessárias;

– Evite goma de mascar e bebidas gaseificadas;

– Beba de 1,5 a 2 litros de água diariamente.

COMENTÁRIOS