Palestra debate impactos das fake news nas campanhas de imunização

Palestra debate impactos das fake news nas campanhas de imunização

O impacto das notícias falsas será discutido no primeiro evento do Ciclo ILP-FAPESP de Ciência e Inovação de 2019, iniciativa em parceria entre o Instituto do Legislativo Paulista (ILP) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A área da saúde será tema de uma das mesas de debate do evento. A diretora técnica da Divisão de Imunização do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde, Helena Sato, participará do evento com o tema “Os impactos das fake news nas campanhas de imunização”.

Sato abordará as notícias falsas que atingiram, no ano passado, as campanhas de vacinação contra doenças como a febre amarela, o sarampo, a poliomielite e o HPV (vírus que pode causar câncer de colo de útero), segundo levantamento feito pelo Ministério da Saúde a partir de monitoramento da internet.

Essa constatação levou o governo federal a lançar uma ação contra a disseminação de notícias falsas, com vídeos didáticos sobre como identificar essas informações. O Ministério da Saúde também adotou em seu site uma seção exclusiva para combater as notícias falsas da área da saúde.

Ciência

O jornalista Francisco Rolfsen Belda, professor do Departamento de Comunicação Social e vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), abordará a “Divulgação científica, desinformação e indicadores de credibilidade jornalística”. Sua apresentação refletirá sobre as relações entre as práticas de divulgação científica, os fenômenos de desinformação nos meios digitais e a busca por critérios capazes de indicar a credibilidade de conteúdos jornalísticos distribuídos na internet.

“Com a profusão de notícias na internet, sobretudo nas chamadas mídias sociais, é cada vez mais difícil distinguir a informação de qualidade do ruído. Quando se trata de informação científica, essa distinção é ainda mais complicada. Muitas vezes, os leitores acabam tomando como verdade a posição de fontes pouco confiáveis ou formando sua própria opinião a partir de relatos mal apurados ou de informações de qualidade duvidosa”, afirma Belda.

“A ciência, que por construção deveria ser imune à pós-verdade e à produção de notícias falsas, é um território do conhecimento humano que também está sendo invadido por opiniões e crenças que se sobrepõem ao rigor científico”, avalia Peter Schulz, professor da Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Ele fará a apresentação “Quando a ciência dá lugar à pseudociência e vice-versa: como evitar prejuízos à sociedade”.

Também participará do evento a pesquisadora e uma das fundadoras do Instituto Questão de Ciência, Natalia Pasternak Taschner, com a apresentação “Consulte um cientista! Como formular políticas públicas baseadas em evidências”. O Instituto Questão de Ciência tem a missão de apontar e corrigir a falsificação e a distorção do conhecimento científico, além de promover a educação científica e apoiar o uso de evidências na formulação de políticas públicas.

Ciclo

O Ciclo ILP-FAPESP tem o objetivo de promover eventos de divulgação científica voltados à sociedade, legisladores, gestores públicos e outros interessados. As palestras do Ciclo ILP-FAPESP são abertas ao público e têm inscrições gratuitas. As vagas, porém, são limitadas.

COMENTÁRIOS