Pesquisa mundial descobre novo anticorpo para tratar câncer de pulmão

Pesquisa mundial descobre novo anticorpo para tratar câncer de pulmão

Estudo, que contou com participação do Instituto do Câncer de SP, avaliou mais mil pacientes ao redor do mundo; substância ativa sistema imune para destruir células cancerosas

O Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) Octavio Frias de Oliveira, unidade ligada à Secretaria de Estado da Saúde e a Faculdade de Medicina da USP, participou de um estudo mundial que identificou uma nova opção de tratamento para câncer de pulmão.

Feita com a colaboração do grupo de câncer de pulmão do Serviço de Oncologia Clínica do Icesp e publicada recentemente no periódico científico The Lancet, a pesquisa avaliou a eficácia e a tolerância do anticorpo pembrolizumabe em pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (tipo mais comum de tumor dentre os pacientes com esse diagnóstico), que apresentavam metástase e a expressão da proteína PDL-1.

O anticorpo pembrolizumabe consegue interferir na interação desta proteína (PDL-1) com seu receptor PD-1 em algumas células de defesa. Assim, o sistema imune do organismo do paciente começa a ser ativado e passa a destruir as células cancerosas.

O estudo contou com mais de mil pacientes que já haviam sido tratados com quimioterapia em primeira linha em diversos países, e observou um ganho de sobrevida nos que receberam a droga experimental, em comparação a quimioterapia padrão até então utilizada para esses casos.

“O tratamento experimental teve boa tolerância e estabeleceu o pembrolizumabe como uma opção de tratamento bastante útil nessa população”, explica o chefe do grupo e coautor do trabalho, Gilberto de Castro Junior.

A droga ainda não está liberada no Brasil e deverá passar por processo de aprovação antes de começar a ser comercializada.

COMENTÁRIOS