(PrEP) está disponível nas cinco macrorregiões do Estado

(PrEP) está disponível nas cinco macrorregiões do Estado

Profilaxia pré-exposição (PrEP) está disponível nas cinco macrorregiões do Estado; mais de 2,8 mil pessoas já aderiram ao tratamento. A partir deste mês, a Secretaria de Estado da Saúde amplia em três vezes o número de serviços públicos de saúde que ofertam o método de prevenção do HIV, deniminado PrEP (profilaxia pré-exposição), alcançando todas as macrorregiões paulistas.

“A meta para 2019 é expandir ainda mais esta rede de serviços, facilitando o acesso à prevenção daqueles que estão vulneráveis ao HIV. Um comprimido diário é suficiente. Além disso, precisamos destacar a importância da adesão às demais estratégias de prevenção combinada, que incluem o uso de preservativos, a Profilaxia Pós Exposição ao HIV (PEP), o tratamento das Infecções sexualmente Transmissíveis (IST), para destacar alguns exemplos”, afirma Artur Kalichman, coordenador do Programa Estadual DST/Aids-SP.

A iniciativa, realizada por meio do Programa Estadual de DST/Aids, visa atender a demanda do tratamento de forma regionalizada, garantindo o acesso pessoas com maior chance de exposição. Atualmente, o medicamento Truvada está disponível em 49 serviços, em 37 municípios (confira a relação de unidades e cidades em: https://bit.ly/2Ev1gsC). O Estado de São Paulo iniciou a implantação da PrEP em janeiro de 2018, em 14 serviços integrantes de sete municípios. Até o momento, foram cadastrados 2.891 usuários do medicamento, totalizando 6.621 atendimentos. Com a expansão da rede de serviços a partir de outubro, a expectativa é duplicar o número de pessoas atendidas até dezembro.

“Ressaltamos a importância da participação das secretarias de Educação e Justiça nas ações de promoção de saúde sexual e redução da discriminação, atenção básica de saúde na assistência às IST”, ressalta Rosa de Alencar Souza, coordenadora adjunta do Programa Estadual DST/Aids-SP.

O medicamento é indicado a homens que fazem sexo com homens, mulheres transexuais, travestis, profissionais do sexo que tenham tido relações sexuais sem uso de preservativo nos últimos seis meses e/ou episódios recorrentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e/ ou tenham usado repetidamente medicamentos de profilaxia pós-exposição (PEP). Também podem receber o remédio casais sorodiscordantes para o HIV (quando um parceiro tem o vírus e outro, não) que mantêm ou tenham tido relações sexuais sem uso de preservativos.

“Um dos motivos de ter aumentado o número de pessoas infectadas com o vírus do HIV/Aids é o hábito de não usar camisinha.” O alerta é do infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Jean Gorinchteyn.

O Truvada é contraindicado para pessoas com doença renal, porém os locais de referência farão avaliações médicas em todos que procurarem pelo tratamento. O medicamento pode ter efeito colateral leve, como dores de cabeça, náuseas e inchaço.

Aos pacientes que aderirem à terapia é recomendado o uso de preservativo durante as relações sexuais, pois a PrEP não protege contra outras doenças sexualmente transmissíveis. Além disso, o medicamento começa a fazer afeito a partir do sétimo dia para exposição por relação anal e a partir do vigésimo dia para exposição por relação vaginal. Durante o tratamento, os usuários serão acompanhados pelo serviço de referência. Após o início do tratamento, haverá retorno num período de 30 dias e, depois, a cada três meses.

“Eu nunca tomei PrEP, não tinha nenhum local disponível próximo da minha residência. Agora, com tantos postos espalhados, fica mais fácil”, explica Rômulo Pelizzaro.

 

COMENTÁRIOS