Repelente contra o Aedes aegypti é criado por alunos da rede estaduaç

Repelente contra o Aedes aegypti é criado por alunos da rede estaduaç

Estudantes dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental da Escola Estadual Narciso da Silva Cesar, de Araraquara, no interior paulista, desenvolveram um repelente natural conta o mosquito Aedes aegypti. Além disso, os jovens montaram painéis explicativos sobre criadouro de larvas dos insetos.

O conteúdo elaborado pelos alunos foi exposto na unidade da rede pública de ensino. A criação do repelente natural ocorreu no laboratório da própria escola. Na ocasião, os alunos manipularam e levaram o produto para casa, tornando-se multiplicadores de boas práticas.

“A item consiste em cravo de molho no álcool durante uma semana. Depois, acrescentamos um óleo essencial”, explica a professora Claudia Galvão. As ações mobilizaram docentes e estudantes em benefício da saúde coletiva.

Atividades

Vale destacar que cada turma desenvolveu um tipo de atividade. Alunos do 1º ano do Ensino Fundamental escreveram, durante a aula de Língua Portuguesa, bilhetes com informações para aumentar os cuidados contra o mosquito. No 2º ano, jovens trabalharam com a receita de repelente. Verbete foi o tema trabalhado em sala de aula com alunos do 3º ano.

“Somos dos Anos Iniciais. Estamos trabalhando o tema na disciplina ‘Práticas Experimentais’, com pesquisa de campo e confecção de cartazes. Contamos também com uma parceria da Secretaria Municipal de Vigilância Sanitária”, revela a diretora da escola, Lucy Montesuma.

Dia D

O “Dia D da mobilização de combate ao Aedes aegypti” foi lançado na última sexta-feira (15), pelas secretarias Estaduais da Educação e da Saúde. Ao todo, as 5,3 mil escolas estaduais foram convidadas a aderir à campanha, que busca conscientizar e engajar os alunos no enfrentamento ao mosquito.

“O envolvimento dos alunos da rede é imprescindível para o sucesso da mobilização. Os estudantes são fontes importantes de multiplicação de conhecimento e fundamentais para que a gente consiga consolidar hábitos simples, que ajudam a prevenir a proliferação do inseto”, salienta o secretário de Estado da Educação, Rossieli Soares da Silva.

“O ambiente educacional favorece a troca de conhecimento e o envolvimento dos estudantes em práticas que ultrapassam os muros das escolas”, enfatiza o secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

Em janeiro, foram confirmados 4.595 casos de dengue no Estado – dez cidades concentram 77,4% das ocorrências. Andradina, Bauru, Araraquara, São José do Rio Preto, Barretos, São Joaquim da Barra, Agudos, Palestina, São Paulo e Ribeirão Preto são os municípios mais afetados pela doença.

COMENTÁRIOS