Ribeirão Grande é reconhecida pelo tratamento aos idosos

Ribeirão Grande é reconhecida pelo tratamento aos idosos

O município de Ribeirão Grande, na região de Itapeva, se tornou o primeiro do Estado a receber o “Selo Intermediário SP Amigo do Idoso”, por conta das boas práticas públicas voltadas às pessoas idosas. A prefeitura cadastrou os idosos no CadÚnico, realizou ações de saúde bucal e ampliou a cobertura dos idosos que têm direito ao Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Das ações eletivas do Selo Intermediário, o município de Ribeirão Grande elaborou o código de obras às normas da ABNT e ao Desenho Universal, realizou atendimento domiciliar a 152 idosos dependentes e implementou programas pedagógicos interdisciplinares sobre envelhecimento.

“O reconhecimento é um incentivo para os municípios de todo o Estado, em razão da demanda crescente de políticas para o público atendido pelo programa”, destaca Franciele Panaino, diretora do Núcleo de Avaliação e Supervisão da Diretoria Regional de Assistência e Desenvolvimento Social de Itapeva, órgão ligado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social.

Ribeirão Grande assinou o termo de adesão ao Programa SP Amigo do Idoso em abril de 2013 e recebeu o Selo Inicial em junho de 2016. Em abril de 2018, a cidade teve o Selo Intermediário aprovado.

Para receber o Selo Inicial, é necessário criar o Conselho Municipal do Idoso, implantar ações de promoção de saúde e prevenção de quedas, entre outras. Os Selos Inicial, Intermediário e Pleno têm o objetivo de estimular municípios e entidades públicas e da sociedade civil a implantarem ações referenciadas. No Estado, 640 municípios assinaram o termo de adesão ao programa e, destes, 245 conquistaram o Selo Inicial.

“De modo a elaborar políticas públicas no setor, o Governo Federal se inspirou na iniciativa estadual, que é pioneiro na área. São Paulo sai na frente nas ações de proteção no setor”, ressalta Marli Cortez, secretária-executiva do Programa SP Amigo do Idoso.

Cuidados específicos

A queda para uma pessoa idosa pode trazer efeitos devastadores. Uma fratura por exemplo, demora mais tempo para ser curada, exigindo uma internação maior, o que pode ocasionar outros problemas como infecções”, explica Claudia Fló, coordenadora da área de Saúde do Idoso da Secretaria de Estado da Saúde. Além disso, nos idosos, é comum a ocorrência de multimorbidades “essas doenças agravam o quadro clinico do paciente, dificultando ainda mais a recuperação”, alerta ela.

Programa SP Amigo do Idoso

O Programa SP Amigo do Idoso foi criado em 2012 pelo Governo do Estado de São Paulo e envolve esforços e recursos de onze secretarias estaduais e do Fundo Social de Solidariedade, que buscam desenvolver projetos, implementar programas e ações voltadas à população idosa.

A Fundação Sistema Estadual de Análises de Dados (Seade) é responsável pela manutenção de um sistema de monitoramento sobre as ações dos municípios. Cada cidade possui um interlocutor do programa.

No Estado, a população idosa representa 13,19% da população total (cerca de 5,6 milhões de pessoas), segundo dados da Fundação Seade.

“Queremos incentivar os hospitais a ficarem cada vez mais atentos às necessidades dos idosos, sempre objetivando a manutenção de sua autonomia e independência. O Estado de São Paulo, com este selo, vai estimular os serviços de saúde a estarem preparados para atender a este público, com planejamento e a adoção de rotinas específicas”, disse David Uip, o então secretário de Estado da Saúde de São Paulo na época.

 

COMENTÁRIOS