Saiba onde e como doar leite materno no Estado de São Paulo

Saiba onde e como doar leite materno no Estado de São Paulo

Mulheres que estão amamentando e produzem um volume de leite além da necessidade do bebê, podem se tornar doadoras de um Banco de Leite Humano. O Estado de São Paulo conta com 58 bancos de leite materno, sendo 30 no interior. Um ato de amor que pode ser multiplicado de forma simples. 

Para isso, basta ser saudável, produzindo um volume excedente de leite e não utilizar nenhum medicamento que impeça a doação.  As interessadas devem comparecer a um banco de leite e receber as orientações necessárias. Além de preencher um cadastro e apresentar exames laboratoriais de sorologia dos últimos seis meses. Normalmente, os bancos de leite oferecem serviços de busca em domicílio e também costumam disponibilizar um kit, composto por gorro, máscara e frascos de armazenamento, para garantir a qualidade do alimento doado. 

Confira a lista de Bancos de Leite do Estado de São Paulo

“Aqui no banco de leite do Hospital Guilherme Álvaro nós recebemos de 30 até 40 litros de leite por mês. A paciente tem que se dirigir a unidade para fazer o cadastro e retirar o kit. Após isso, a equipe retira o leite na residência da pessoa”, explica o diretor técnico de Saúde do Hospital Guilherme Álvaro, de Santos, o professor universitário e médico infectologista Ricardo Leite Hayden. 

“Meu filho recebeu o leite aqui do Hospital Guilherme Álvaro. Aqui é referência para todas as mães que não conseguem amamentar seus filhos, espero que o Hospital continue sempre nos ajudando”, disse Priscila Gomes Ribeiro, paciente do Hospital. 

doação de leite evita o empedramento das mamas de mulheres. Normalmente, as mães dos bebês internados não conseguem produzir leite em quantidade suficiente pela falta de estímulo, pois o bebê não tem condições de sugar. E também por fatores emocionais, já que seus filhos estão internados. 

O leite materno é fundamental para que crianças prematuras se desenvolvam e ganhem resistência a doenças. O alimento é considerado ideal por ter a qualidade e a concentração adequadas de nutrientes para os recém-nascidos. 

“O período de internação de um prematuro é longo para que ele ganhe peso e maturidade pulmonar, e geralmente não há condições dele mamar em suas próprias mães. O Banco de Leite é essencial para essa recuperação e fortalecimento do recém-nascido”, afirma Tereza Maria Isaac Nishimoto, pediatra responsável pelo Banco de Leite do HGA. 

“Eu doei este mês e quero deixar a mensagem para todas as mães que puderem doar, façam esse ato de amor”, disse a paciente do HGA, Maria Luisa da Silva. 

 

 

parte01

 

COMENTÁRIOS