São Paulo tem a maior rede de hospitais de combate ao câncer do país

São Paulo tem a maior rede de hospitais de combate ao câncer do país

Os casos de câncer vêm crescendo significativamente em todo mundo nos últimos anos. Pensando nisso, o Governo do Estado de São Paulo desenvolve a maior rede pública de combate à doença do país. Desde 2013, os paulistas podem realizar o tratamento em um conjunto de unidades de saúde que fornece assistência integral, de qualidade e resolutiva à doença com base nas diretrizes do SUS.

Atualmente, a Rede Hebe Camargo de Combate ao Câncer conta com 76 unidades espalhadas por todo Estado. O nome é homenagem à atriz e apresentadora Hebe Camargo, que lutou contra um câncer no peritônio (membrana do aparelho digestivo) e faleceu por complicações do quadro, em 2014.

O principal objetivo da Rede é aprimorar o modelo de atenção às pessoas com câncer, de forma que elas possam realizar o tratamento em hospitais referenciados em todo território paulista. A partir dela, os pacientes passaram a ter atendimento mais organizado e acessível que reduzisse o tempo de espera entre diagnóstico e tratamento.

Dessa forma, isso só foi possível graças à Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (CROSS), que passou a regular os casos oncológicos a partir de 2014. O objetivo desse sistema é garantir assistência às necessidades imediatas do cidadão através da equidade do acesso ao SUS.

O atendimento primário é feito em uma unidade de saúde do município e, caso os exames apresentem indício de câncer, os pacientes são encaminhados para uma instituição especializada por meio da CROSS. “É uma regulação individual, um diagnóstico analisado por pessoa, região e gravidade. Assim, conseguimos ter uma avaliação mais rápida e mais perto da casa do paciente”, explica a coordenadora da Rede Hebe Camargo, Sônia Alves.

Sendo assim, a Rede se tornou referência de associação e regionalização de atendimento de câncer, uma vez que integra unidades sob gestão estadual e municipal. Hoje, ela é responsável por realizar mais 5 milhões de atendimentos por ano, entre diagnósticos, internações, quimioterapias, radioterapias e cirurgias.

O secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann, explica que por meio desse sistema cerca de 92% dos pacientes podem realizar o tratamento perto da família e de suas casas. “Nós oferecemos estrutura altamente qualificada para tratamento dos pacientes oncológicos e com atendimento humanizado”, completa.

Em Jaú, por exemplo, o Hospital Amaral Carvalho está equipado para receber os principais tipos de câncer da região, além de ser a instituição que mais realiza transplante de medula óssea em toda América Latina. A entidade, associada à Hebe Camargo, atende mais de 70 mil pacientes em tratamento por ano.

“Através de uma equipe estruturada e profissionais preparados, nós conseguimos oferecer mensalmente 500 vagas à Rede. É importante que os municípios se preocupem com o diagnóstico precoce dos pacientes, pois, assim que chegam a uma instituição como a nossa, tenham maiores chances de cura”, afirma a diretora de desenvolvimento de saúde, Cristina Moro.

Unidades como essa são determinantes para colocar a Rede Hebe Camargo no topo do tratamento público de câncer no Brasil. É por meio desse trabalho concomitante com os municípios que, cada vez mais, os servições poderão ser ampliados. Isso permite que casos sejam evitados por meio do diagnóstico precoce e tratamento de qualidade.

“Além de realizar os exames preventivos, é importante que as pessoas saibam que o câncer, na maioria das vezes, pode ser evitado por meio de iniciativas de prevenção. Por isso é importante que tenhamos hábitos saudáveis desde cedo”, comenta a chefe de oncologia clínica do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), Dra. Maria Del Pilar Estevez Diz.

A porta de entrada para o tratamento na Rede Hebe Camargo é feita, muitas vezes, pelas unidades de saúde do município. Portanto, é necessário que os cidadãos adquiram sempre costumes de realizar o check-up médico. Confira abaixo algumas das entidades referências que lutam diariamente contra a doença:

Instituto do Câncer de São Paulo Octavio Frias de Oliveira
Av. Dr. Arnaldo, 251 – Cerqueira César (capital)

Hospital Pérola Byington
Av. Brigadeiro Luís Antônio, 683 – Bela Vista (capital)

Hospital Infantil Darcy Vargas
R. Dr. Seráfico de Assis Carvalho, 34, Jardim Guedala (capital)

Hospital Guilherme Álvaro
Rua Oswaldo Cruz, 197, Boqueirão – Santos

Hospital Heliópolis
R. Cônego Xavier, 276, Cidade Nova Heliópolis (capital)

Hospital Brigadeiro
Av. Brigadeiro Luís Antônio, 2651, Bela Vista (capital)

Hospital Pérola Byington
Av. Brigadeiro Luís Antônio, 683, Bela Vista (capital)

Hospital Luzia de Pinho Mello
Rua Manoel de Oliveira, s/n, Vila Mogilar – Mogi das Cruzes

Instituto de Tratamento do Câncer Infantil (ITACI)
Rua Galeno de Almeida, 148, Pinheiros (capital)

Hospital Estadual Mário Covas
Rua Dr. Henrique Calderazzo, 321, Paraíso – Santo André

Hospital Amaral Carvalho
Doná Silvéria, 150 – Chácara Braz Miraglia – Jaú

Hospital Estadual de Bauru
Avenida Engenheiro Luiz Edmundo Carrijo Coube 1-100, Núcleo Presidente Geisel – Bauru

Hospital das Clínicas de Botucatu
Distrito de Rubião Júnior, s/n –  Botucatu

COMENTÁRIOS