Saúde alerta sobre riscos de acidentes de trabalho no setor de alimentação durante a Copa

Saúde alerta sobre riscos de acidentes de trabalho no  setor de alimentação durante a Copa

3,2 mil acidentes graves ou fatais foram registrados em sete anos no Estado de São Paulo

 A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo faz um alerta sobre os riscos de eventuais acidentes de trabalho com a intensificação da rotina de atendimento a clientes no setor de alimentos durante a Copa do Mundo.

O Estado de São Paulo notificou, entre os anos de 2006 e 2013, 3.234 acidentes de trabalho graves ou fatais envolvendo trabalhadores na área de alimentação.

Cerca de 60% dos acidentes ocorreram nas mãos ou em membros superiores do corpo. Desses, 1.277 tiveram incapacidades temporárias, 33 registraram incapacidades permanentes e 12 foram ao óbito.

Dos estabelecimentos de trabalho, 53% eram funcionários de restaurantes e 39% de lanchonetes. Quase 50% dos casos notificados ocorreram com cozinheiros, atendentes de lanchonete, garçons e copeiros.

Segundo a diretora da Divisão de Vigilância Sanitária do Trabalho, Simone Alves dos Santos, os riscos à saúde dos trabalhadores estão na exposição às matérias-primas, nas condições das edificações e das instalações de trabalho, na utilização dos equipamentos, na manipulação das ferramentas e instrumentos e no processo de produção do alimento.

“Pisos sujos, molhados e escorregadios, armazenamento inadequado de produtos e materiais, uso sem proteção de maquinas e equipamentos cortantes, armazenamento de botijão GLP em ambientes fechados e sem ventilação natural permanente e exposição à queimadura e ao choque elétrico por condições irregulares, como fiação exposta e ligações improvisadas, são alguns fatores risco de acidentes para esses trabalhadores”, afirma Simone.

Medidas simples na organização do ambiente de trabalho auxiliam na prevenção de acidentes, a exemplo de manter pisos, escadas, rampas e corredores em bom estado de conservação e, se possível, com proteção de material antiderrapante.

Hidrante e extintor de incêndio devem ser de fácil acesso a todos e armazenagem de botijão GLP deve ser em local com boa ventilação e com sinalização adequada.

Os funcionários devem ter espaço para circularem com segurança entre máquinas e equipamentos, esses equipamentos precisam ter dispositivos para ligar e desligar de fácil acesso.

“É importante ressaltar que não é permitido o uso de luvas descartáveis de borracha, látex ou plástico em procedimento que envolva calor, como cozimento e fritura, ou durante o uso de máquinas para moagem, tritura e mistura”, finaliza a especialista.

COMENTÁRIOS