Saúde amplia ‘Visão do Futuro’ e avalia a condição ocular de 16,7 mil estudantes no ‘Dia D’ da Educação

Saúde amplia ‘Visão do Futuro’ e avalia a condição ocular de 16,7 mil estudantes no ‘Dia D’ da Educação

A Secretaria de Estado da Saúde e a Secretaria de Estado da Educação promovem nesta quinta-feira (28) um “Dia D” para atendimento oftalmológico dos alunos da rede pública de ensino do Estado de São Paulo em diversas regiões.

A ação integra o programa “Visão do Futuro”, da Saúde, destinado à prevenção e à recuperação da saúde ocular. Vigente na capital desde 2009, o programa agora é expandido para as regiões de Assis, Marília, Bauru, Sorocaba, Campinas e Ribeirão Preto.

Os professores da rede estadual foram treinados pelas Secretarias para aplicar a Tabela de Snellen (escala optométrica), por meio de uma vídeo-aula elaborada pela Saúde com a expertise do Departamento de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Nesse momento, serão contemplados estudantes matriculados no 1º ano do Ensino Fundamental. Eles passarão por um processo de triagem na própria unidade escolar, que inclui a realização de um teste de acuidade visual, que deverá ser autorizada pelos pais ou responsáveis.

Caso seja constatada alguma anormalidade, as crianças serão levadas a hospitais de referência em datas programadas para ‘mutirões’ de consultas oftalmológicas, na segunda fase do programa. Os que tiverem diagnósticos de miopia e astigmatismo, por exemplo, terão óculos prescritos e fornecidos gratuitamente por ótica parceira.

Os casos que apresentarem algum quadro mais grave serão encaminhados para acompanhamento ambulatorial em unidades de referência do SUS (Sistema Único de Saúde) nas regiões, em hospitais universitários, como os HCs de Ribeirão Preto, Marília, Unicamp, Hospital de Base de Bauru, Conjunto Hospitalar de Sorocaba e Hospital Regional de Assis.

Os mutirões serão programados entre as escolas e hospitais e as escolas providenciarão o transporte para o deslocamento dos alunos, que poderão ser acompanhado pelos responsáveis que tiverem disponibilidade.

“O mutirão é fundamental para detectar e corrigir problemas oftalmológicos que podem impactar no desempenho educacional dos estudantes” declara o Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann Ferreira.

O Programa Visão do Futuro foi desenvolvido há 11 anos na capital, com participação de hospitais universitários como o HCFMUSP. Nesse período, verificou-se que de 20% a 30% das crianças nessa faixa-etária apresentam alguma alteração visual. Desde 2009, o Visão do Futuro ultrapassou a marca de 1 milhão de estudantes avaliados, 66 mil pares de óculos entregues e mais de 143 mil estudantes encaminhados para consulta.

COMENTÁRIOS