Saúde e Palmeiras se unem contra o câncer de próstata

Saúde e Palmeiras se unem contra o câncer de próstata

Ação educativa do Instituto do Câncer do Estado de SP será realizada neste domingo (27), em jogo decisivo do Campeonato Brasileiro no Allianz Parque; vídeo com depoimento de paciente será exibido nos telões

Neste domingo, 27 de setembro, aos “45 do segundo tempo” do Novembro Azul, movimento que marca a conscientização e o combate ao câncer de próstata, o Allianz Parque será palco de uma ação educativa sobre a doença, chamando a atenção dos mais de 40 mil torcedores da arena para a prevenção, a importância do diagnóstico precoce e, principalmente, o cuidado com a saúde do homem de maneira integral.

Assinada pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), o maior centro público de tratamento oncológico da América Latina, e pela Secretaria de Estado da Saúde, a campanha “Drible o preconceito: marque um gol pela prevenção” vai levar aos gigantes telões da arena uma mensagem de alerta por meio do vídeo-depoimento do paciente Márcio Natividade, um empresário de 52 anos que foi diagnosticado com câncer de próstata há seis anos, em uma consulta de rotina.

O objetivo é mostrar a torcida que o câncer “não tem idade e nem time do coração”. Por isso, estar atento às mudanças no próprio corpo e buscar orientação médica é fundamental.

Além do vídeo, promotores entrarão em campo com uma faixa de 15 metros, antes da partida entre Palmeiras e Chapecoense e no intervalo do jogo, reforçando a mensagem da campanha.

Câncer de próstata: sintomas x prevenção

O tumor maligno da próstata é o mais comum entre os homens acima dos 50 anos. No Brasil, são mais de 60 mil novos casos por ano. Dentro do Icesp, esses pacientes representam 12% do atendimento total, com mais de 79 mil consultas e 3,8 mil consultas realizadas.

Entre os sintomas mais comuns estão dor ao urinar e dificuldade em iniciar e manter um fluxo constante de urina, perda do controle da bexiga, disfunção erétil e sangramentos.

O diagnóstico precoce, por meio de exame físico e amostras laboratoriais, permite tratamentos menos agressivos e com altos índices de cura. “A indicação é que, partir dos 50 anos, a realização do check-up anual vire um compromisso para todos os homens. É nossa responsabilidade estreitar os laços com o público e reforçar o valor da adesão ao tratamento precoce”, ressalta o médico-chefe do serviço de urologia do Icesp, William Nahas.  

COMENTÁRIOS