Saúde mobiliza Prefeituras em mais de 800 ações extramuros de prevenção a HIV e sífilis

Saúde mobiliza Prefeituras em mais de 800 ações extramuros de prevenção a HIV e sífilis

Com adesão recorde, 99% dos municípios participarão da campanha Fique Sabendo em SP, a maior do Brasil; além dos serviços fixos do SUS, ações para além dos postos foram programadas em 229 municípios

No decorrer desta semana, a Secretaria de Estado da Saúde está mobilizando, com apoio das Prefeituras de SP, mais de 800 ações extramuros focadas na prevenção ao HIV e à sífilis. A medida faz parte da 12ª edição da campanha Fique Sabendo, que incentiva o diagnóstico e tratamento oportuno das doenças.

Toda a programação foi organizada por meio do Programa Estadual IST/Aids-SP, que neste ano conseguiu um recorde: 99,2% dos municípios do Estado aderiram à campanha, que acontece tanto nos serviços fixos do SUS, como fora dos postos. Trata-se da maior testagem do país.

As ações extramuros ocorrerão em 229 cidades e podem ser consultadas aqui. O planejamento de cada município foi feito conforme a necessidade local, e pode abranger testagens de HIV e sífilis, distribuição de preservativos, atividades focadas na conscientização, entre outros.

“O acesso à testagem e o diagnóstico precoce contribuem para o tratamento em tempo adequado e para a qualidade de vida das pessoas com HIV/Aids. A pessoa que tem o vírus e não sabe pode transmitir involuntariamente, por isso, é fundamental que todos com vida sexual ativa façam o teste”, explica o coordenador do Programa Estadual IST/Aids-SP, Alexandre Gonçalves.  “Apesar da queda da mortalidade entre pessoas que vivem com HIV/Aids ao longo da epidemia, seis pessoas ainda morrem diariamente em SP pela doença”, conclui.

Disponível durante o ano todo nos serviços de saúde, o teste rápido por fluído oral é gratuito, sigiloso e confiável. O resultado sai em aproximadamente 30 minutos, com privacidade e sigilo do paciente garantidos. Eventuais diagnósticos positivos serão direcionados para serviços de referência da rede pública de saúde para que o paciente possa dar início ao tratamento. Informações sobre locais para fazer o teste podem ser obtidas por meio do Disque DST/AIDS: 0800 16 25 50.

“Agradecemos o apoio de todos os municípios que estão engajados nessa missão coletiva, que visa incentivar a prevenção às infecções sexualmente transmissíveis, oferecendo diagnóstico precoce e orientando sobre os tratamentos disponíveis no SUS. Pedimos aos cidadãos que aproveitem essa grande mobilização para protegerem a si mesmos e as pessoas com quem se relacionam ou se relacionarão”, diz o Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

Adesão recorde

Neste ano, 640 municípios de SP aderiram à Fique Sabendo, ajudando a ampliar o alcance das testagens de HIV e sífilis. “A adesão foi crescendo ao longo de 12 anos e agora chegou a 99,2% dos municípios. Este resultado é fruto do compromisso do estado de São Paulo na luta contra a Aids e na busca da ampliação do diagnóstico precoce de HIV e sífilis”, complementa o coordenador do Programa Estadual IST/Aids.

Em 2019, a campanha foca na importância do diagnóstico precoce destes dois agravos, principalmente entre jovens. A campanha anual é uma importante ação de intensificação da testagem junto às populações mais expostas às doenças.

O período oficial da campanha será de 1 a 7 de dezembro; no entanto, cada município poderá avaliar seu contexto local e estender as ações pelo tempo que considerar adequado. Desde 2017, o mês de dezembro é dedicado a atividades de enfrentamento do HIV/Aids e outras IST.

Queda recorde de HIV

O número de infecções por HIV teve queda recorde em SP. A redução foi de 11,7%, considerando os 7.938 casos novos detectados em 2018, contra 8.981, em 2017. No Estado de São Paulo foram notificados 105.422 casos de infecção pelo HIV no período de 2000 até junho de 2019. A partir de 2016 observou-se, pela primeira vez, uma queda na taxa de detecção. Para os homens, no ano de 2018 essa queda foi de 16,5%, enquanto que entre as mulheres essa queda foi de 15,3%. No público masculino, houve 7.223 em 2017 e 6.306 em 2018. Já no feminino, foram 1.758 e 1.632, respectivamente.

A principal causa da diminuição é a incorporação da Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) ao conjunto das estratégias de prevenção combinada, a partir de 2018, associada ao aumento do acesso ao teste para o HIV e ao tratamento oportuno.

A PrEP consiste no uso de medicamento anti-HIV de forma programada para evitar uma infecção pelo vírus, com uso diário e contínuo do remédio. Caso haja uma exposição (situação de risco), o medicamento não permite que o HIV se instale no organismo. Atualmente, só há um produto aprovado para PrEP, que é um medicamento 2 em 1 (tenofovir e entricitabina), que atua bloqueando alguns “caminhos“ que o HIV usa para infectar o corpo humano. Trata-se do método mais recente de prevenção, entre os diversos disponíveis no Sistema Único de Saúde, que a passou a fornecê-lo no final de 2017, de forma gradual. Em SP, está disponível em 48 cidades e o tratamento já foi ofertado para 9 mil pessoas.

Conforme o protocolo nacional, a PrEP pode ser fornecida para pessoas HIV-negativas dos seguintes grupos: homens gays, bissexuais e outros homens que fazem sexo com homens; pessoas trans; profissionais do sexo; pessoas que estejam se relacionando com uma pessoa vivendo com HIV (casais sorodiferentes). Não protege contra outras infecções sexualmente transmissíveis (IST) e gravidez. Por isso, é importante que o paciente conheça e utilize outros métodos preventivos, como preservativos, também disponíveis gratuitamente nos serviços de saúde.

Informações sobre onde encontrar, como utilizar e outras orientações sobre prevenção podem ser consultadas aqui.

 

COMENTÁRIOS