Sistema monitora de perto paciente psiquiátrico e amplia adesão a tratamento

Modelo de Gerenciamento de Caso Eletrônico alia humanização a agilidade no atendimento em ambulatório estadual

          Um novo modelo de monitoramento dos pacientes psiquiátricos atendidos no AME (Ambulatório Médico de Especialidades) Psiquiatria, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo gerenciada em parceria com a SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina), na capital paulista, tem contribuído para ampliar a adesão deles ao tratamento.

Com a implantação do sistema de Gerenciamento de Caso Eletrônico a adesão de pacientes ao tratamento chegou, em média, a 80% nos últimos dois anos, índice 33% superior ao observado na literatura médica, que é de 60%. Mensalmente, são realizados 6,2 mil atendimentos no local.

Por meio de prontuário eletrônico, os dados dos pacientes do AME são registrados e compartilhados entre a equipe em tempo real. Caso o paciente falte a uma consulta, são verificados no prontuário informações relevantes como os riscos aos quais ele está exposto, seu histórico de saúde e situação familiar e social, entre outros.

Essa análise permite que a equipe elabore uma abordagem específica ao entrar em contato com o paciente. Ao falar com o usuário, a equipe avalia o motivo pelo qual faltou, oferece o suporte necessário e busca o reagendamento da consulta.

“A humanização é fundamental. O paciente sente que está sendo acompanhado de perto pela equipe médica, o que faz muita diferença. A adoção do prontuário eletrônico permitiu não só modernizar o registro de dados do paciente, como também melhorar a qualidade da assistência, garantindo a continuidade do tratamento e melhor evolução do quadro”, afirma Denise Amino, diretora do AME Psiquiatria.

No AME são oferecidos atendimentos psicológico e psiquiátrico, terapia ocupacional, serviço de enfermagem, consultas com clínicos gerais e neurologistas. A unidade disponibiliza tratamentos para transtornos como de ansiedade, humor (depressão), aqueles decorrentes do uso de álcool e drogas e os psicóticos, como esquizofrenia, entre outros.

COMENTÁRIOS