SP amplia vacinação contra gripe para policiais, professores e carteiros

SP amplia vacinação contra gripe para policiais, professores e carteiros

Até o momento 8,6 milhões de paulistas já foram imunizados; campanha segue até 20 de junho em todos os postos de saúde do estado

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo decidiu ampliar, neste ano, a campanha de vacinação contra a gripe para policiais militares, civis e técnicos científicos, professores e funcionários da educação da rede pública e particular do ensino fundamental, além dos carteiros. Cerca de 450 mil pessoas serão beneficiadas com a medida.

A partir desta segunda-feira, 9 de junho, o novo público-alvo poderá receber a vacina contra o vírus Influenza, causador da gripe, em qualquer posto de saúde do Estado. O objetivo é imunizar estes públicos, principalmente os policiais, antes da Copa do Mundo FIFA 2014.

Desde o último dia 22 de abril foram vacinados 8,6 milhões de pessoas no Estado, segundo balanço da pasta, baseado nos dados informados pelos municípios paulistas. Com a ampliação do público-alvo, a meta de imunização passa de 9,2 milhões para 9,6 milhões. A campanha segue até o dia 20 de junho.

Além de imunizar a população contra a gripe A H1N1, tipo que se disseminou pelo mundo na pandemia de 2009, a vacina, produzida pelo Instituto Butantan, também protege a população contra outros dois tipos do vírus influenza:  influenza A H3N2 e B.

Também devem receber a vacina os idosos com 60 anos ou mais, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), crianças entre seis meses e menos de cinco anos de idade, indígenas, pacientes diagnosticados com doenças crônicas e profissionais de saúde do Estado.

A campanha mobiliza 37,3 mil profissionais da saúde, estaduais e municipais. A estrutura da vacinação ainda inclui 3 mil veículos, 21 ônibus e quatro barcos.

“Essa ampliação é muito importante já que, no caso dos policiais, eles terão contato direto com um grande número de pessoas durante a Copa do Mundo. Já em relação aos professores de ensino fundamental, a importância se deve a relação mais direta que esses profissionais têm com as crianças”, afirma o secretário de Estado da Saúde de São Paulo, David Uip.

Para receberem a vacina, basta que os policiais, professores e carteiros apresentem no posto de saúde suas identificações funcionais.

COMENTÁRIOS