SP dá premiação inédita a bancos de leite de destaque em coleta e doação

SP dá premiação inédita a bancos de leite de destaque em coleta e doação

 

Saúde estadual premia, pela primeira vez, bancos de leite que se destacaram no trabalho de coleta e doação, em comemoração ao Dia Nacional de Doação de Leite Humano; SP responde por 1/4 do volume de leite coletado e distribuído no Brasil

 

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo concedeu nesta sexta-feira, 19 de maio, Dia Nacional de Doação de Leite Humano, premiação inédita aos bancos de leite de SP que mais se destacaram em doação e coleta, em 2016. O evento foi realizado às 10h, no Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, cujo banco de leite é uma das principais referências estaduais.

O prêmio, dividido em quatro categorias, contemplou cinco unidades públicas do Estado de São Paulo, entre as mais de 50 localizadas na Grande São Paulo e interior paulista. Juntos, os bancos de leite de SP respondem por 25% do volume total de leite coletado no país.

Tanto na categoria “Volume de Leite Coletado”, como na de “Volume de Leite Distribuído”, o Banco de Leite Humano do Hospital Municipal Universitário de São Bernardo do Campo foi o destaque na Grande São Paulo, por ter coletado 2,6 mil litros de leite humano e distribuído 1,8 mil litros.

Já no interior, foi o Banco de Leite Humano de São José do Rio Preto, premiado por coletar 1,7 mil litros de leite. No quesito distribuição, quem recebeu o prêmio foi o Banco de Leite Humano do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, por ofertar 2,2 mil litros.

Na categoria “Doadoras”, o Banco de Leite Humano do Hospital Maternidade Amador Aguiar, de Osasco, recebeu a premiação por alcançar a marca de 1,2 mil concessoras. No interior, mais uma vez o Banco de Leite Humano de São José do Rio Preto foi premiado, desta vez por conseguir 1,5 mil doadoras.

Por conseguir a marca de 933 coletoras no ano passado, o Banco de Leite Humano do Hospital Municipal Maternidade Escola Dr. Mário de Moraes Altenfelder Silva, na capital paulista, recebeu o prêmio na categoria “Receptoras”. E no interior, o premiado foi o Banco de Leite Humano do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, por atingir a expressiva marca de 1,5 mil receptoras.

Além da entrega dos prêmios, a programação prevê duas palestras: “A importância da doação de leite para a mulher trabalhadora e a sazonalidade das doações”, ministrada pelo diretor do Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, Coríntio Mariani Neto; e “Doações de leite materno e prematuridade, ministrada pelo presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo, Yechiel Moisés Chencinski.

“Quando tratamos de doação de leite humano, automaticamente estamos falando da possibilidade de salvar outras vidas e de proporcionar tranquilidade aos pais das crianças que necessitam desse alimento fundamental na fase inicial da vida. Premiar os bancos de leite que se destacam em coleta e doação é uma forma de incentivar as unidades a manter esse serviço primordial para os recém-nascidos e familiares”, afirma o secretário de Estado da Saúde, David Uip.

 

Balanços de SP

Segundo dados da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, o estado de São Paulo representa mais de 25% do volume do leite coletado no país. Em 2016, dos 182,8 mil litros de leite recolhidos no Brasil, mais de 46,2 mil litros foram reunidos em SP.

No quesito de distribuição, o Estado representa ainda mais, sendo 26% do volume de leite doado no país. No ano passado, dos 135,2 mil litros de leite distribuídos no Brasil, 36,1 mil litros foram doados pelas unidades de SP.

Já nas categorias de doadoras e receptoras, o estado de São Paulo representa 20% e 19%, respectivamente, do quantitativo registrado no país. Das 171,7 mil concessoras e 165,7 coletoras no Brasil, 35,6 mil doaram e 32,9 mil receberam em unidades localizadas nas abrangências do Estado.

 

Como funciona a doação

O principal critério para ser doadora é a mãe estar amamentando, saudável, produzindo volume excedente de leite e não utilizar nenhum medicamento que impeça a doação.

O procedimento é simples: basta comparecer a um banco de leite, onde recebe as orientações necessárias. As interessadas devem preencher um cadastro e apresentar exames laboratoriais de sorologia realizados nos últimos seis meses. Normalmente, os bancos oferecem serviços de busca em domicílio e também disponibilizam um kit (com gorro, máscara e frascos de armazenamento) para garantir a alta qualidade do alimento doado.

Para as mulheres, a doação de leite evita empedramento das mamas e ajuda na recuperação da forma física. Existem mais de 50 bancos de leite em todo o Estado de São Paulo. A lista completa pode ser consultada no sitehttp://www.redeblh.fiocruz.br.

COMENTÁRIOS