SP ganha 1ª farmácia pública de ‘segurança máxima’ da América Latina

SP ganha 1ª farmácia pública de ‘segurança máxima’ da América Latina

Sistema de radiofrequência integrará fluxos para inibir desvio de medicamentos caros no Hospital de Transplantes do Estado

         O Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo gerenciada em parceria com a SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina), na capital paulista, será o primeiro serviço público de saúde da América Latina a contar com uma farmácia de “segurança máxima”.

O projeto-piloto de gerenciamento de perdas e fraudes de remédios utiliza o sistema RFID (Radio Frequency Identification) que transmite sinal de frequência captado por antenas.

Trata-se de um método de identificação automática por sinais de rádio, que recupera e armazena dados remotamente utilizando dispositivos chamados de Tags RFID. Os Tags RFID possuem microchips de silício e um sistema de antena que permite responder aos sinais de rádio enviados por uma base transmissora.

Com a implantação do novo sistema, a farmácia do Hospital de Transplantes passará a integrar diferentes sistemas de segurança com objetivo de aperfeiçoar os fluxos e assim garantir de maneira mais efetiva assistência ao paciente. Atualmente a estrutura já possui câmeras de monitoramento 24 horas para controle de segurança.

“Por sermos um hospital terciário, com atendimento a patologias complexas, a farmácia conta com um estoque de medicamentos de alto custo. Alguns quimioterápicos, por exemplo, podem chegar à R$ 4 mil a ampola, diz o farmacêutico e coordenador da Farmácia do Hospital de Transplantes, Everson Marinho.

Ele acrescenta que a farmácia também contará com a instalação de portas de clausura para entrada principal e controle fotográfico para coleta seletiva de lixo, que serão registradas antes do descarte.

COMENTÁRIOS