SP quer vacinar 10 mil pessoas contra sarampo no Porto de Santos nesta quarta-feira (20)

SP quer vacinar 10 mil pessoas contra sarampo no Porto de Santos nesta quarta-feira (20)

Ação montada em caráter emergencial pelo Centro de Vigilância Epidemiológica estadual vai imunizar passageiros de desembarque e embarque no cruzeiro da MSC que percorre a costa brasileira; 18 casos da doença foram confirmados no navio

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo montou uma ação em caráter emergencial para vacinar 10 mil pessoas contra o sarampo nesta quarta-feira, 20 de fevereiro, no Porto de Santos. A estratégia foi montada pelo Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado, em parceria com a Prefeitura de Santos, para imunizar os passageiros que desembarcam e embarcam no cruzeiro da MSC, onde há casos da doença.

A partir de 7h da manhã, mais de 100 profissionais estaduais e do município de Santos estarão mobilizados na ação.

Entre as 5 mil pessoas atualmente embarcadas, houve confirmação de 18 casos de sarampo. Seis deles tiveram confirmação laboratorial pelo Instituto Adolfo Lutz, referência nacional em diagnóstico de doenças. Todos os passageiros serão imunizados nessa ação de bloqueio dentro do próprio navio, antes do desembarque. O veículo ficará atracado até que essa medida seja concluída.

As outras 5 mil pessoas, que devem subir a bordo do navio somente após a descida dos demais, também serão imunizadas no próprio cruzeiro.

A vacina tríplice viral (protege contra sarampo, rubéola e caxumba) será aplicada independentemente da faixa-etária. Em caráter excepcional, a dose será ofertada para crianças a partir de seis meses de idade – convencionalmente, na rotina, a primeira dose é aplicada aos doze meses (veja mais informações abaixo).

A imunização realizada em até 72 horas evita que os pacientes infectados adoeçam. Há contraindicação para gestantes e imunodeprimidos, como pessoas submetidas a tratamento de leucemia e pacientes oncológicos.

“A vacina é feita com vírus vivo atenuado e é segura. Além dessa ação de imunização, todas as pessoas serão orientadas a procurar o serviço de saúde mais próximo em eventual mal estar ou início de sintomas, que podem incluir febre, mal estar, manchas vermelhas na pele sem coceira, entre outros”, explica a diretora de Imunização da Secretaria, Helena Sato.

Cenário em SP

 O Estado de São Paulo ultrapassou a meta de vacinar 95% das crianças contra sarampo na campanha de imunização de 2018. Foram vacinadas mais de 2,1 milhão de menores na faixa de 1 a menores de 5 anos, o que corresponde a 97% do público-alvo. Especificamente na Baixada Santista, a cobertura na campanha foi de 99,3%.

As doses estão disponíveis na rede estadual durante o ano todo na rotina dos postos, e é fundamental que os pais ou responsáveis por menores ainda não imunizados levem seus as crianças para receber a vacina.

O programa estadual de vacinação prevê administração da vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) aos 12 meses, e um reforço aos 15 meses com a tetraviral (sarampo, rubéola, caxumba e varicela).

Atualmente, não há casos autóctones de sarampo em SP. A circulação endêmica foi interrompida no Estado no ano 2000. Casos esporádicos ocorreram eventualmente desde então, relacionados à importação do vírus de várias regiões do mundo onde ainda o controle da doença não foi atingido. Em 2018, por exemplo, São Paulo registra apenas três casos confirmados, sendo um importado da Ásia Ocidental e outros dois do Estado do Amazonas.

Em todas as situações de suspeita de casos, a pasta presta apoio técnico aos municípios tanto para ações de campo quanto para estratégias de vacinação e eliminação da doença, conforme orientações e diretrizes do Ministério da Saúde.

COMENTÁRIOS