SP registra mais de 17 mil casos de escorpião em 2019 até aqui; veja o que fazer se for picado 

SP registra mais de 17 mil casos de escorpião em 2019 até aqui; veja o que fazer se for picado 

Segundo o Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE), em 2019, até agosto, foram registrados 17,7 mil casos e 5 óbitos relacionados a acidentes com escorpiões no Estado de São Paulo.

Nos últimos anos, por conta da devastação das florestas próximas aos centros urbanos, cresceu a incidência do animal nas grandes cidades. Por isso, é preciso tomar alguns cuidados.

Em casos de picadas de escorpião, ou mesmo cobra e aranha em crianças e adolescentes, o Dr. Anthony Wong, do Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas da FMUSP, afirma que os pais da criança picada precisam, acima de tudo, ter calma em momentos como esse e, principalmente, observar as características do animal.

“O escorpião brasileiro é venenoso, mas não é fatal. Em adultos, a picada do bicho provoca muito dor, mas em 98% dos casos o controle pode ser feito por anestésicos ou analgésicos. Já crianças ou adolescentes até 15 anos são bem mais suscetíveis ao veneno tanto da cobra quanto do escorpião e da aranha”, conta ele.

Para diminuir os riscos de acidentes, alguns cuidados básicos podem ser tomados, como manter os quintais, terrenos baldios e jardins limpos. É importante não acumular entulho e lixo doméstico, aparar grama dos jardins e recolher as folhas caídas. Coloque o lixo em sacos plásticos que devem ser mantidos fechados para evitar o aparecimento de moscas, baratas e outros insetos, que são os alimentos favoritos dos escorpiões.

“É fundamental que as pessoas sigam essas recomendações em casos de acidentes com animais peçonhentos e procurem, o quanto antes, o serviço médico mais próximo”, alerta o biólogo Giuseppe Puorto.

COMENTÁRIOS