Temperaturas mais baixas aumentam casos de conjuntivite

Temperaturas mais baixas aumentam casos de conjuntivite

A conjuntivite deve ser uma das preocupações para os meses mais frios do ano. Com a queda de temperatura, as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados, aumentando o risco de transmissão viral ou bacteriana da doença. É aí que o número de vítimas aumenta.

De acordo com o oftalmologista Marcos Guerra, a conjuntivite é caracterizada pela inflamação da membrana conjuntiva que cobre o olho e a superfície interna das pálpebras. “Além de manter a higiene pessoal sempre em ordem, para prevenir contra a doença, é importante buscar tratamento e orientação médica imediatamente, caso haja suspeita de estar com conjuntivite”, destaca.

Os sintomas são os olhos avermelhados, lacrimejamento, sensação de areia nos olhos, secreção amarela, verde ou branca, pálpebras inchadas e avermelhadas, além de intolerância à luz e visão borrada. Existem algumas diferenças entre a conjuntivite bacteriana e a viral, visto que na primeira há secreção abundante nos olhos e, no segundo caso, o paciente lacrimeja em abundância.

“O primeiro passo após o diagnóstico é evitar o compartilhamento de objetos de uso pessoal. Ao acordar, é importante que o paciente lave bem o rosto, com xampu neutro ou sabonete líquido, e por fora do olho. Em seguida, o uso de colírios pode aliviar o desconforto provocado pela doença. Por fim, compressas geladas com água esterilizada também podem auxiliar na recuperação”, completa o oftalmologista.

COMENTÁRIOS