USP Bauru tem núcleo para simulação de atendimento de saúde

USP Bauru tem núcleo para simulação de atendimento de saúde

O campus de Bauru da Universidade de São Paulo inaugurou no início deste mês o Núcleo de Educação e Capacitação em Saúde (Necs). O espaço receberá estudantes e profissionais da cidade e região para treinamento por meio de simulações de atendimentos em saúde.

Localizado dentro do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho) da USP, o Necs tem como finalidade trabalhar as questões de segurança do paciente. Nesse ambiente, os alunos poderão treinar repetidas vezes até se sentirem aptos a lidar com situações reais.

“A educação e a capacitação permanente de docentes, estudantes e profissionais dos serviços são os melhores recursos para diminuir a variabilidade de práticas e de resultados e, portanto, melhorar a relação custo-efetividade da atenção à saúde”, afirma o coordenador do curso de Medicina da USP Bauru e atual superintendente do HRAC, José Sebastião dos Santos.

Por enquanto, o Núcleo é fundamental para estudantes do primeiro ano do curso de medicina do campus. No entanto, a ideia é que a partir do segundo semestre deste ano ele também contemple alunos de Odontologia e Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da USP, residentes e profissionais do HRAC e da rede municipal e estadual de saúde da cidade.

“O planejamento de capacitações específicas será realizado em conjunto entre o curso de Medicina da USP e a rede pública de saúde, de acordo com as necessidades locais. Essa é uma contribuição da Universidade para potencializar e aprimorar a atenção em saúde em Bauru e região”, explica a professora do curso e uma das coordenadoras do Necs.

Segundo a professora, ele é composto de grandes instalações que facilitam a execução de procedimentos como punções, curativos, suturas ou a administração de medicamento. “Inicialmente, as atividades serão realizadas com pacientes simulados – normalmente estudantes de outra área capacitados para tal atividade –, devidamente caracterizados, com feridas, secreção, inclusive cheiro”, completa.

As salas, consultórios e enfermarias serão espaços para capacitação de atividades práticas com base nas diretrizes de uma unidade hospitalar de verdade. O intuito, assim, é utilizá-lo nos seis anos de curso de medicina, com atividades de acordo com a complexidade do aprendizado ao longo da graduação. Além do ensino, ele também servirá para realização de pesquisa e extensão universitária.

Metodologia

A atividade simulada com acidentado faz parte do módulo Primeiros Socorros, integrante do ambiente de ensino Laboratório de Habilidades e Simulações. Segundo o professor responsável e vice-coordenador do curso de medicina, Gerson Alves Pereira Júnior, a metodologia utilizada é chamada de “sala de aula invertida”.

“Os alunos recebem vídeos e textos para estudarem antes e fazer uma avaliação dos diferentes cenários. Podemos até fazer avaliação on-line prévia. Então eles vêm aqui para tirar as dúvidas e fazer as atividades práticas. Nesse processo, eles chegam com perguntas pertinentes, aproveitando melhor o tempo presencial, que é muito valioso”, comenta.

Esse novo espaço de aprendizado por meio de um sistema diferenciado é bastante valorizado pelos estudantes. Aluna da medicina, Bianca Santa Maria, conta que não esperava toda estrutura e equipamentos utilizados nos procedimentos.

“Já tínhamos estudado como deveríamos agir e agora é muito bom colocar em prática o conhecimento trabalhado através dos vídeos e da teoria. Num acidente real, por exemplo, eu já sei como ajudar a vítima e quais procedimentos iniciais realizar”, ressalta a estudante.

COMENTÁRIOS